sicnot

Perfil

Desporto

Liga admite que é inevitável alargar campeonato para integrar Gil Vicente

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) admitiu hoje que é inevitável alargar a I Liga para reintegrar o Gil Vicente, na sequência da decisão do Tribunal Administrativo de Lisboa sobre o 'Caso Mateus'.

"Dando o devido cumprimento à sentença do tribunal, o alargamento das competições é inevitável", refere a LPFP, em comunicado, após reunião extraordinária da direção do organismo.

A LPFP assegurou ainda não irá recorrer, acatando a decisão judicial, tal como anunciou na segunda-feira a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), acrescentando ter decidido "levar o tema ao escrutínio soberano da Assembleia Geral de clubes, com caráter de urgência, a fim de se deliberar sobre o modelo competitivo a adotar em 2016/17".

Em agosto de 2006, o Gil Vicente, depois de ter assegurado a permanência, foi despromovido administrativamente à Liga de Honra, atual II Liga, devido à utilização do internacional angolano Mateus, quando o futebolista estava impedido por ter atuado com estatuto de amador, na época imediatamente anterior, ao serviço do Lixa.

Na nota, hoje publicada, a LPFP deixa, no entanto, claro que mantém uma estratégia que passa "inevitavelmente, por um emagrecimento das competições", situação que defende com o objetivo de "torná-las mais competitivas, atrativas e sustentáveis".

Neste sentido o organismo que gere futebol profissional em Portugal diz que, não obstante a "ligeira alteração de rumo" a que se vê obrigado, não abdicará e retomará "já na próxima época desportiva de 2017/18" a mesma estratégia, de redução.

"[Esta Direção] não hesitará em manter a continuidade do projeto delineado no início desta época desportiva para o quadriénio e aprovado em Assembleia Geral pelos clubes, deixando claro que, por unanimidade, se revê no princípio da valorização do mérito desportivo", explica em comunicado.

Na mesma informação, o organismo diz também que pretende vir a tomar "as medidas necessárias a obstar que, no futuro, ocorram situações análogas".

Para quarta-feira a LPFP tem agendada uma Assembleia Geral extraordinária da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), mas na qual estavam já previstos outros pontos de ordem.

A reunião magna, agendada para as 14:00, na sede da LPFP, no Porto, servirá para a apreciação, discussão e votação de propostas de alteração ao regulamento de arbitragem e ao regulamento disciplinar das competições organizadas pelo organismo

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.