sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Gil Vicente já esperava decisão da Liga de clubes

O presidente do Gil Vicente, António Fiúsa, disse hoje que "já esperava" a decisão da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) de acatar a reintegração do clube minhoto na I Liga.

António Fiúsa, presidente do Gil Vicente

António Fiúsa, presidente do Gil Vicente

"Já esperava esta decisão da LPFP. Tal como afirmei na conferência de imprensa da semana passada, os atuais dirigentes, quer da LPFP, quer da federação, são pessoas de bem e é natural que o bom senso tenha imperado. Foi feita justiça e nós já estamos a preparar o plantel para que possa jogar na I Liga muitos anos", afirmou Fiúsa, em declarações à Lusa.

A LPFP admitiu hoje que é inevitável alargar a I Liga para reintegrar o Gil Vicente, na sequência da decisão do Tribunal Administrativo de Lisboa sobre o Caso Mateus, assegurando que não irá recorrer da decisão, tal como anunciou na segunda-feira a Federação Portuguesa de Futebol.

O organismo liderado por Pedro Proença acrescentou ainda ter decidido "levar o tema ao escrutínio soberano da Assembleia Geral de clubes, com caráter de urgência, a fim de se deliberar sobre o modelo competitivo a adotar em 2016/17".

Em agosto de 2006, o Gil Vicente, depois de ter assegurado a permanência, foi despromovido administrativamente à Liga de Honra, atual II Liga, devido à utilização do internacional angolano Mateus, quando o futebolista estava impedido por ter atuado com estatuto de amador, na época imediatamente anterior, ao serviço do Lixa.

Na altura, a Comissão Disciplinar da LPFP sancionou o clube minhoto com a descida de divisão, após uma queixa do Belenenses, que o Conselho de Justiça da FPF ratificou, impedindo ainda os gilistas de participarem na Taça de Portugal, assim como nos campeonatos de juniores e iniciados.

O Gil Vicente recorreu destas decisões para os tribunais administrativos, alegando a nulidade das sanções aplicadas, algo que foi agora confirmado pela sentença do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, proferida a 25 de maio.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.