sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Gil Vicente já esperava decisão da Liga de clubes

O presidente do Gil Vicente, António Fiúsa, disse hoje que "já esperava" a decisão da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) de acatar a reintegração do clube minhoto na I Liga.

António Fiúsa, presidente do Gil Vicente

António Fiúsa, presidente do Gil Vicente

"Já esperava esta decisão da LPFP. Tal como afirmei na conferência de imprensa da semana passada, os atuais dirigentes, quer da LPFP, quer da federação, são pessoas de bem e é natural que o bom senso tenha imperado. Foi feita justiça e nós já estamos a preparar o plantel para que possa jogar na I Liga muitos anos", afirmou Fiúsa, em declarações à Lusa.

A LPFP admitiu hoje que é inevitável alargar a I Liga para reintegrar o Gil Vicente, na sequência da decisão do Tribunal Administrativo de Lisboa sobre o Caso Mateus, assegurando que não irá recorrer da decisão, tal como anunciou na segunda-feira a Federação Portuguesa de Futebol.

O organismo liderado por Pedro Proença acrescentou ainda ter decidido "levar o tema ao escrutínio soberano da Assembleia Geral de clubes, com caráter de urgência, a fim de se deliberar sobre o modelo competitivo a adotar em 2016/17".

Em agosto de 2006, o Gil Vicente, depois de ter assegurado a permanência, foi despromovido administrativamente à Liga de Honra, atual II Liga, devido à utilização do internacional angolano Mateus, quando o futebolista estava impedido por ter atuado com estatuto de amador, na época imediatamente anterior, ao serviço do Lixa.

Na altura, a Comissão Disciplinar da LPFP sancionou o clube minhoto com a descida de divisão, após uma queixa do Belenenses, que o Conselho de Justiça da FPF ratificou, impedindo ainda os gilistas de participarem na Taça de Portugal, assim como nos campeonatos de juniores e iniciados.

O Gil Vicente recorreu destas decisões para os tribunais administrativos, alegando a nulidade das sanções aplicadas, algo que foi agora confirmado pela sentença do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, proferida a 25 de maio.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".