sicnot

Perfil

Desporto

Investidores chineses e norte-americanos compram 80% do Nice

Investidores chineses e norte-americanos compraram 80 por cento das ações do Nice, anunciou esta sexta-feira o quarto classificado do último campeonato francês de futebol.

© Eric Gaillard / Reuters

Em comunicado, o Nice explica que o presidente Jean-Pierre Rivère mantém 20 por cento dos direitos do clube e conserva o seu posto durante, pelo menos, três anos, tal como o diretor Julien Fournier.

Os novos acionistas maioritários são os chineses Chien Lee, que presidirá o conselho de supervisão, e Alex Zheng, "dois homens de negócios nos setores da hotelaria, turismo e imobiliário", e dos investidores norte-americanos Paul Conway e Elliot Hayes.

"Os novos investidores foram seduzidos pelo nosso projeto, assim como pelas oportunidades oferecidas pelo Nice e pela Côte d'Azur, nomeadamente nas áreas do turismo, imobiliário e hotelaria, que são o cerne da sua atividade", sublinhou Jean-Pierre Rivère, no comunicado.

O dirigente considerou que a chegada de novos proprietários assegura o futuro do clube e prometeu que o Nice manterá a sua identidade.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.