sicnot

Perfil

Desporto

Dunga despedido do cargo de selecionador do Brasil

Dunga deixou hoje de ser selecionador do Brasil, com a esperada destituição a ser anunciada após uma reunião da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

MAURICIO DUENAS CASTANEDA

Em curto comunicado, a CBF comunica que decidiu "dissolver a comissão técnica da seleção brasileira", o que implica que deixam os cargos o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, o técnico Dunga e toda a sua equipa.

"A decisão foi tomada em comum acordo durante a reunião nesta tarde e, a partir de agora, a CBF inicia o processo de escolha da nova comissão técnica da seleção brasileira", acrescenta o comunicado. "A CBF agradece a dedicação, a seriedade e o empenho da equipa durante a realização do trabalho", refere ainda a nota.

A eliminação precoce do Brasil na Copa América Centenário, após a derrota de segunda-feira em Boston ante o Peru (1-0), acelerou a saída do treinador, de 52 anos, que deveria pelo menos comandar a equipa até aos Jogos Olímpicos.

No cargo desde 22 de julho de 2014, quando sucedeu a Luís Felipe Scolari, Dunga já tinha uma passagem pela seleção 'canarinha' entre 2006 e 2010, período no qual conquistou uma Copa América e uma Taça das Confederações.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.