sicnot

Perfil

Desporto

João Rodrigues será o porta-estandarte na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos

O velejador João Rodrigues vai ser o porta-estandarte português na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio2016, nos quais será o primeiro luso a atingir sete presenças, anunciou hoje o Comité Olímpico de Portugal (COP).

Arquivo - Londres 2012

Arquivo - Londres 2012

O madeirense, de 44 anos, vai participar na prova de RS:X, naquela que será a sua sétima presença olímpica consecutiva, tendo tido a sua estreia em Barcelona92, quando a classe de prancha à vela se chamava Lechner.

Foi em Barcelona que teve o seu pior resultado, ao terminar na 23.ª posição, conseguindo em Atlanta96 um sétimo lugar e em Atenas2004 o sexto, na então classe Mistral, na qual também foi 18.º em Sydney2000. Já em RS:X, João Rodrigues foi 11.º em Pequim2008 e 14.º em Londres2012.

"Foi com enorme alegria que recebi, do Chefe de Missão aos Jogos Olímpicos do Rio2016, o convite para ser o porta-estandarte da Missão Portuguesa, naquele que é o maior evento desportivo do planeta. Agradeço profundamente a honra que me é concedida, honra esta extensível à modalidade da vela e à Região Autónoma da Madeira, onde nasci e cresci", disse João Rodrigues, em declarações ao sítio do COP.

João Rodrigues assumiu ainda que ser porta-estandarte "é também uma responsabilidade", considerando que este convite do Chefe de Missão, José Garcia, faz com que seja a imagem da equipa portuguesa.

"Ao endereçar-me o convite, certamente o Chefe de Missão entendeu que o meu percurso, de alguma forma, faria com que os portugueses se identificassem com esta equipa. Essa parece-me ser a principal missão do porta-estandarte. Espero poder estar à altura", afirmou.

José Garcia, Chefe de Missão ao Rio2016 e que esteve com João Rodrigues nas equipas olímpicas em Barcelona92 e Atlanta96, disse que para esta nomeação "foi considerado o impressionante currículo desportivo" do atleta.

"Iniciou-se na prática da vela aos nove anos e ao longo da sua carreira, somou dezenas de títulos nacionais, medalhas em inúmeras competições internacionais, campeonatos europeus e do mundo", disse o Chefe de Missão.

Ainda de acordo com José Garcia, João Rodrigues "é um exemplo porque conciliou a exigente carreira desportiva com o seu percurso académico, tendo concluindo a licenciatura em engenharia mecânica, a isso soma-se uma postura cívica exemplar".

Lembrando que João Rodrigues "é o atleta português com mais participações olímpicas e dos poucos atletas no mundo que, com a participação nos Jogos Olímpicos Rio2016, completará a presença em sete edições", José Garcia disse que se habituou "a admirar o atleta, mas também a pessoa e o português extremamente orgulhoso de o ser".

"Quando lhe comuniquei que havia sido o escolhido, disse-me: 'estou todo a tremer e profundamente honrado'. Esta é uma honra que considero inteiramente merecida a este verdadeiro embaixador do olimpismo. Parabéns João!", concluiu o Chefe de Missão.

O madeirense sucede, como porta-estandarte, a Telma Monteiro, que transportou a bandeira portuguesa na cerimónia de abertura em Londres2012, sendo o quinto atleta da vela a ter essa função, depois de Joaquim Fiúza (Londres48), Bernardo Mendes Almeida (Melbourne56), Mário Quina (Roma60) e José M. Quina (México68).

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.