sicnot

Perfil

Desporto

João Rodrigues será o porta-estandarte na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos

O velejador João Rodrigues vai ser o porta-estandarte português na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio2016, nos quais será o primeiro luso a atingir sete presenças, anunciou hoje o Comité Olímpico de Portugal (COP).

Arquivo - Londres 2012

Arquivo - Londres 2012

O madeirense, de 44 anos, vai participar na prova de RS:X, naquela que será a sua sétima presença olímpica consecutiva, tendo tido a sua estreia em Barcelona92, quando a classe de prancha à vela se chamava Lechner.

Foi em Barcelona que teve o seu pior resultado, ao terminar na 23.ª posição, conseguindo em Atlanta96 um sétimo lugar e em Atenas2004 o sexto, na então classe Mistral, na qual também foi 18.º em Sydney2000. Já em RS:X, João Rodrigues foi 11.º em Pequim2008 e 14.º em Londres2012.

"Foi com enorme alegria que recebi, do Chefe de Missão aos Jogos Olímpicos do Rio2016, o convite para ser o porta-estandarte da Missão Portuguesa, naquele que é o maior evento desportivo do planeta. Agradeço profundamente a honra que me é concedida, honra esta extensível à modalidade da vela e à Região Autónoma da Madeira, onde nasci e cresci", disse João Rodrigues, em declarações ao sítio do COP.

João Rodrigues assumiu ainda que ser porta-estandarte "é também uma responsabilidade", considerando que este convite do Chefe de Missão, José Garcia, faz com que seja a imagem da equipa portuguesa.

"Ao endereçar-me o convite, certamente o Chefe de Missão entendeu que o meu percurso, de alguma forma, faria com que os portugueses se identificassem com esta equipa. Essa parece-me ser a principal missão do porta-estandarte. Espero poder estar à altura", afirmou.

José Garcia, Chefe de Missão ao Rio2016 e que esteve com João Rodrigues nas equipas olímpicas em Barcelona92 e Atlanta96, disse que para esta nomeação "foi considerado o impressionante currículo desportivo" do atleta.

"Iniciou-se na prática da vela aos nove anos e ao longo da sua carreira, somou dezenas de títulos nacionais, medalhas em inúmeras competições internacionais, campeonatos europeus e do mundo", disse o Chefe de Missão.

Ainda de acordo com José Garcia, João Rodrigues "é um exemplo porque conciliou a exigente carreira desportiva com o seu percurso académico, tendo concluindo a licenciatura em engenharia mecânica, a isso soma-se uma postura cívica exemplar".

Lembrando que João Rodrigues "é o atleta português com mais participações olímpicas e dos poucos atletas no mundo que, com a participação nos Jogos Olímpicos Rio2016, completará a presença em sete edições", José Garcia disse que se habituou "a admirar o atleta, mas também a pessoa e o português extremamente orgulhoso de o ser".

"Quando lhe comuniquei que havia sido o escolhido, disse-me: 'estou todo a tremer e profundamente honrado'. Esta é uma honra que considero inteiramente merecida a este verdadeiro embaixador do olimpismo. Parabéns João!", concluiu o Chefe de Missão.

O madeirense sucede, como porta-estandarte, a Telma Monteiro, que transportou a bandeira portuguesa na cerimónia de abertura em Londres2012, sendo o quinto atleta da vela a ter essa função, depois de Joaquim Fiúza (Londres48), Bernardo Mendes Almeida (Melbourne56), Mário Quina (Roma60) e José M. Quina (México68).

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.