sicnot

Perfil

Desporto

Antigo futebolista Hakan Sukur julgado à revelia na Turquia

O antigo futebolista turco Hakan Sukur começou a ser julgado à revelia sob a acusação de insultos ao presidente do seu país, Recep Erdogan, nas redes sociais.

© Reuters Photographer / Reuter

O ex-avançado, internacional pela Turquia, é uma das milhares de pessoas, incluindo jornalistas, políticos e outras personalidades de várias áreas sociais que enfrentam controversos processos judiciais, todos acusados de insultar o chefe de Estado.

O advogado de Sukur, que pertenceu à seleção que conseguiu um terceiro lugar no Mundial de 2002, disse que o seu cliente emigrou para os Estados Unidos, de onde pode "prestar depoimento" se a defesa apresentada for considerada insuficiente.

Segundo a imprensa, Sukur terá acusado Erdogan de roubo, na rede social Twitter, em fevereiro de 2015, embora sem referir diretamente o seu nome, pelo que a procuradoria turca pede ao tribunal uma pensa de quatro anos de cadeia.

Sukur, que jogou entre 1987 e 2007, foi o melhor goleador da seleção da Turquia, com 51 golos marcados em 112 internacionalizações.

Em 2011 foi eleito deputado pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento, liderado por Erdogan, mas resignou ao cargo dois anos depois, após uma vasta investigação a situações de corrupção que envolviam o atual presidente e o seu círculo mais próximo.

O presidente turco tem revelado pouca tolerância face às críticas nas redes sociais, na imprensa e nas ruas.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21