sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Sporting diz que caso Doyen não vai ter influência na próxima época

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, afirmou hoje que o caso Doyen não vai influenciar "em nada" a preparação da próxima época e diz ter confiança de que a justiça dê razão ao clube no recurso que interpôs.

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting.

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting.

Andr\303\251 Kosters

"A influência que o caso Doyen tem no dia-a-dia do Sporting ser absolutamente nenhuma" disse Bruno de Carvalho, acrescentando que "existe um recurso a decorrer" e mostrando confiança que a decisão seja favorável ao clube.

O Sporting foi condenado a pagar 12 milhões de euros ao fundo de investimento Doyen, por ter denunciado unilateralmente os contratos relativos à propriedade dos direitos económicos dos futebolistas Zacaria Labyad e Marcos Rojo, que foi vendido ao Manchester United por 20 milhões.

"Esses contratos têm de cumprir a lei. Infelizmente a lei desportiva e a lei chamada comum não funcionam e isso, a mim, enquanto dirigente desportivo, faz-me confusão porque eu fui preparado e educado para viver em sociedade e de repente entrei num segundo mundo que é o mundo do desporto, um mundo muito próprio", disse Bruno de Carvalho.

O dirigente acrescentou que, "numa lei comum, o caso Doyen estava resolvido mesmo antes de começar" e que "bastava um juiz ler o contrato para perceber o que ali está contraria claramente a lei". "Mas a lei desportiva tem razões que a própria razão desconhece", completou.

Bruno de Carvalho negou ainda que o clube na época passada tenha apostado apenas no campeonato nacional, identificando erros de terceiros que contribuíram para a equipa não ir mais longe noutras competições, nomeadamente na Liga dos Campeões e na Liga Europa.

"Não vi o Sporting desistir de nada. Vi um golo marcado com a mão numa modalidade que não era o andebol", exemplificou, explicando que o clube "tinha um objetivo claro para esta temporada, que era a aproximação aos rivais, e isso foi conseguido".

"Por muito que eu, enquanto sportinguista, queira ganhar tudo, enquanto líder de uma organização, tenho de ser inteligente e ter o pragmatismo de pegar na minha emoção e ver com racionalidade de onde vim e onde quero chegar. O caminho que fizemos este ano foi absolutamente determinante para, agora sim, podermos dar outros passos", completou.

As declarações do líder leonino foram feitas em resposta a um aluno da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, onde o dirigente participou esta manhã numa mesa redonda subordinada ao tema 'Como ter uma carreira de sucesso no desporto'.

Na mesa redonda, estiveram ainda o treinador de canoagem Hélio Lucas, a fisiologista e especialista em gestão de peso Teresa Branco, o ex-presidente da Câmara Municipal de Rio Maior e atual presidente do Núcleo Sportinguista de Rio Maior, Silvino Sequeira, e o jornalista da TVI Fernando Correia.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.