sicnot

Perfil

Desporto

Seringas e produtos dopantes encontrados junto a treinador da campeã mundial dos 1.500 metros

A polícia de Barcelona recolheu hoje 60 seringas usadas, assim como EPO, anabolisantes e medicamentos ilegais em Espanha no hotel onde foi detido o treinador de atletismo somali Jama Aden.

Genzebe Dibaba

Genzebe Dibaba

© Dylan Martinez / Reuters

O treinador da etíope Genzebe Dibaba, atual campeã mundial dos 1.500 metros e recordista mundial da distância, foi detido hoje na cidade catalã de Sabadell, onde se encontravam cerca de 30 atletas dirigidos por Jama Aden.

Em declarações aos jornalistas, o conselheiro do Interior, Jordi Jané, explicou que as buscas feitas a seis quartos de um hotel em Sabadell, foram descobertas seringas e produtos dopantes, destinados à recuperação endovenosa.

A operação de hoje foi o culminar de uma investigação iniciada após denúncias feitas em 2015 pela Agência Espanhola da Proteção e da Saúde no Desporto e pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), contra uma suposta rede de tráfico de substâncias dopantes.

Além da suspensão, seis médicos da IAAF submeteram 27 atletas a testes antidoping.

Lusa

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.