sicnot

Perfil

Desporto

João Rodrigues sente-se privilegiado por ser porta-estandarte nos Jogos Olímpicos

O velejador João Rodrigues disse hoje ser um privilégio e uma grande honra ser porta-estandarte de Portugal nos Jogos Olímpicos Rio2016, lembrando a oportunidade de poder competir num país do mesmo idioma.

João Rodrigues é o escolhido para ser o porta-estandarte de Portugal na Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

João Rodrigues é o escolhido para ser o porta-estandarte de Portugal na Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

"Acho que é uma responsabilidade diferente. Acima de tudo um privilégio, uma honra enorme e acho que estes Jogos Olímpicos revestem-se de um simbolismo extraordinário. Não só porque é no Brasil, mas pela primeira vez que se realizam os Jogos num país que fala a nossa língua, até o facto de levarmos a bandeira no Navio-Escola Sagres à vela, a modalidade que eu escolhi desde infância", disse o velejador, de 44 anos, na cerimónia de partida do Navio-Escola Sagres rumo ao Rio de Janeiro.

João Rodrigues, que fará a sua sétima aparição consecutiva nos Jogos Olímpicos, frisou que o momento é "realmente muito especial e será a forma mais bonita de terminar a carreira olímpica".

Questionado sobre os problemas de organização das provas no Rio de Janeiro, o porta-estandarte português reconheceu as dificuldades que irá enfrentar, nomeadamente das condições da água, ressalvando que têm e devem ser contornados.

"Os verdadeiros problemas do Brasil vão surgir depois do Jogos quando a conta chegar. Nós tentamos abstrair de tudo o resto e treinámos durante quatro anos. Em termos de logística são Jogos complicados para vela porque ficamos longe da baía. A qualidade da água não é a mais indicada, mas são esses elementos que temos que contar e são problemas que vamos ter que ultrapassar", concluiu.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.