sicnot

Perfil

Desporto

João Rodrigues sente-se privilegiado por ser porta-estandarte nos Jogos Olímpicos

O velejador João Rodrigues disse hoje ser um privilégio e uma grande honra ser porta-estandarte de Portugal nos Jogos Olímpicos Rio2016, lembrando a oportunidade de poder competir num país do mesmo idioma.

João Rodrigues é o escolhido para ser o porta-estandarte de Portugal na Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

João Rodrigues é o escolhido para ser o porta-estandarte de Portugal na Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

"Acho que é uma responsabilidade diferente. Acima de tudo um privilégio, uma honra enorme e acho que estes Jogos Olímpicos revestem-se de um simbolismo extraordinário. Não só porque é no Brasil, mas pela primeira vez que se realizam os Jogos num país que fala a nossa língua, até o facto de levarmos a bandeira no Navio-Escola Sagres à vela, a modalidade que eu escolhi desde infância", disse o velejador, de 44 anos, na cerimónia de partida do Navio-Escola Sagres rumo ao Rio de Janeiro.

João Rodrigues, que fará a sua sétima aparição consecutiva nos Jogos Olímpicos, frisou que o momento é "realmente muito especial e será a forma mais bonita de terminar a carreira olímpica".

Questionado sobre os problemas de organização das provas no Rio de Janeiro, o porta-estandarte português reconheceu as dificuldades que irá enfrentar, nomeadamente das condições da água, ressalvando que têm e devem ser contornados.

"Os verdadeiros problemas do Brasil vão surgir depois do Jogos quando a conta chegar. Nós tentamos abstrair de tudo o resto e treinámos durante quatro anos. Em termos de logística são Jogos complicados para vela porque ficamos longe da baía. A qualidade da água não é a mais indicada, mas são esses elementos que temos que contar e são problemas que vamos ter que ultrapassar", concluiu.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.