sicnot

Perfil

Desporto

Chile vence Copa América e Messi diz adeus à seleção

O Chile conquistou domingo a Copa América do Centenário em futebol, revalidando o título, ao vencer a Argentina por 4-2, no desempate por pontapés da marca da grande penalidade. Depois do jogo, o argentino Lionel Messi anunciou o seu adeus à seleção.

© USA Today Sports / Reuters

Em New Jersey, os chilenos só falharam um penalti, enquanto os argentinos desperdiçaram dois, por Lionel Messi, que atirou por cima, e Lucas Biglia, num remate defendido por Claudio Bravo, antes de Francisco Silva selar o título.

Na final de 2015, o Chile, então anfitrião, já havia vencido na lotaria, por 4-1, também depois de 120 minutos sem golos.

Messi anuncia adeus à seleção argentina

"Para mim a seleção nacional acabou. Fiz tudo o que podia, dói não ser campeão", afirmou o capitão da formação albi-celeste, de 29 anos, em declarações aos jornalistas, após a sua quarta derrota numa grande final com a Argentina.

Com Lusa

  • O adeus de Messi à seleção argentina
    0:25

    Desporto

    Depois da derrota nas grandes penalidades frente ao Chile, na final da Copa América, Lionel Messi disse que não vai voltar a jogar pela seleção argentina. O jogador do Barcelona, que falhou o primeiro penalti dos argentinos, afirmou que deixará a seleção "para o bem de todos".

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.