sicnot

Perfil

Desporto

Polícias protestam e ameaçam fazer greve durante Jogos Olímpicos

Polícias civis do Rio de Janeiro realizaram hoje um protesto e ameaçam fazer greve durante os Jogos Rio 2016, que decorrem naquela cidade brasileira a partir de 05 de agosto.

© Paulo Whitaker / Reuters

Em causa, segundo os polícias, estão atrasos nos salários, falta de material de expediente, serviços de limpeza e escassez de combustível. Há referência ainda esquadras sem água, papel higiénico e tinta para impressão de boletins de ocorrência.

O presidente da Coligação de Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro, Fábio Neira, afirmou aos jornalistas tratar-se de uma questão de "subsistência" e descreveu uma situação de "colapso".

"Vamos, gradativamente, aumentando o movimento. Não queremos radicalizar, mas o governo está-nos levando a isso. A base está muito insatisfeita e sem perspetiva. Uma paralisação total não pode ser descartada", acrescentou, sobre a possibilidade de greve da categoria durante os Jogos Olímpicos.

Centenas de agentes manifestaram-se pelas ruas do centro da cidade com faixas e cartazes de protesto, segundo a Agência Brasil.

Um grupo de polícias também protestou no Aeroporto Tom Jobim, segurando uma faixa onde se podia ler, em inglês: "Bem-vindos ao inferno. Polícias e bombeiros não são pagos. Qualquer pessoa que vier para o Rio não estará segura."

A polícia civil informou, numa nota, que entende as reivindicações, consideradas justas e motivadas em razão das dificuldades da categoria.

O Estado do Rio de Janeiro decretou, a 17 de junho, "estado de calamidade pública", devido à grave crise financeira que atravessa.

Os Jogos Olímpicos decorrem de 05 a 21 de agosto e são esperados 10.500 atletas de 206 países para o evento.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".