sicnot

Perfil

Desporto

Organização pede que destituição de Dilma não ocorra durante Jogos Olímpicos

O diretor-executivo do Comité Organizador Rio2016, Sidney Levy, disse hoje que "pediu informalmente" ao presidente brasileiro interino, Michel Temer, que o julgamento do 'impeachment' (destituição) da presidente afastada, Dilma Rousseff, não ocorra durante o evento.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Rezo para que o 'impeachment' seja votado (pelo Senado) antes dos jogos. Se as minhas preces não forem atendidas, que seja depois dos Jogos. Acredito que o ideal é que isso não ocorra durante os Jogos, mas o presidente interino disse que não pode controlar isso, pois depende da agenda do Congresso", contou.

A presidente Dilma Rousseff tem o mandato suspenso desde 12 de maio e, desde então, decorre o julgamento do pedido de denúncia na câmara alta do Congresso.

Sidney Levy acrescentou que o Comité Olímpico Internacional (COI) também tem essa preocupação.

As declarações foram proferidas num debate sobre o Rio 2016 no Council of the Americas, em Washington, segundo a imprensa brasileira.

Frisando que falava como "um brasileiro" e não como uma autoridade, Sidney Levy referiu que a votação do 'impeachment' durante o evento desportivo pode significar a "perda de uma oportunidade", "uma distração" e um "desperdício de energia", embora não considere que tal prejudique a imagem do evento.

"O 'impeachment' talvez atrapalhe um pouco, para alguns países" enviarem os seus chefes de estado para a abertura dos Jogos, respondeu aos jornalistas.

Segundo o responsável, dos 95 chefes de estado previstos na abertura do evento, cerca de 60 já confirmaram presença.

Sidney Levy encontra-se nos Estados Unidos para tentar contrariar o pessimismo que antecede os Jogos no estrangeiro, principalmente por causa do vírus Zika, dado que atualmente o Brasil é o país mais afetado pela epidemia.

Há também preocupações com as crises política e económica no país, bem como com as contas do Estado do Rio de Janeiro, que declarou estado de calamidade pública na reta final para os Jogos Olímpicos.

Além disso, o diretor-executivo do Comité Organizador Rio 2016 afirmou que a segurança é a sua principal preocupação atualmente.

Ainda assim, o responsável não espera uma redução do público estrangeiro, estimado entre 300 mil e 400 mil.

Os Jogos Olímpicos Rio2016 realizam-se de 05 a 21 de agosto e os Jogos Paralímpicos de 07 a 18 de setembro.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".