sicnot

Perfil

Desporto

Federação de futebol aprova regulamentos e projeta receita de 43M€ para 2016/17

A assembleia-geral da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aprovou hoje, por unanimidade, os regulamentos de disciplina e de arbitragem e o plano de atividades e orçamento para a temporada de 2016/17.

A FPF projeta uma receita no valor de 43,433 milhões de euros. Para o mesmo período, os despesas previstas atingem o montante de 43,210 milhões.

Nestas contas não entram as receitas previstas com a participação da seleção nacional no atual Europeu, a decorrer em França. Pela quarta temporada consecutiva a execução orçamental da FPF deu lucro.

"Foi uma assembleia-geral muito positiva, em que as deliberações foram aprovadas por unanimidade", disse José Luís Arnaut, presidente da asembleia-geral da FPF, que registou a participação de 63 dos 72 delegados que integram o organismo.

Neste contexto, os regulamentos de provas e de arbitragem passaram sem qualquer contestação, "num sinal de modernidade e de evolução do futebol português", adiantou Arnaut, o qual ainda referiu que foi aprovado um voto de louvor para a seleção nacional masculina de sub-17, que se sagrou campeã europeia em Baku.

Ainda no tocante a contas, o investimento na setor da formação, entre os escalões de sub-15 e sub-21, atinge o montante de 4,700 milhões de euros, mais 1,800 milhões do que em 2014/15.

Para as 23 seleções nacionais está previsto um investimento de 12,9 milhões de euros, mais quatro milhões do que em 2014/15.

Em termos de execução orçamental, a federação antevê ainda uma receita de 24 milhões de euros em contratos publicitários.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43