sicnot

Perfil

Desporto

Ajuda financeira do Governo vai permitir finalizar obras do metro dos Jogos Olímpicos

O secretário dos Transportes do Estado do Rio de Janeiro, Rodrigo Vieira, disse, na quinta-feira, que a ajuda do Governo Federal para o Estado vai permitir terminar as obras do metropolitano da cidade, essencial para os Jogos Olímpicos.

© Nacho Doce / Reuters

O governo interino publicou, na quinta-feira, no Diário Oficial da União, uma medida provisória autorizando um crédito extraordinário de 2,9 mil milhões de reais (813 milhões de euros) para o governo do Estado do Rio de Janeiro, que enfrenta uma grave crise financeira.

O dinheiro estava destinado para o governo suportar as despesas de segurança dos Jogos Olímpicos Rio2016, numa altura em que crescem preocupações com a violência e com possíveis protestos de agentes de forças de segurança por atrasos nos pagamentos.

"O governo do Estado, com esses recursos, vai reorganizar as suas finanças e deslocar recursos estaduais para quitar os débitos que tem com as construtoras do metropolitano e pagar o que falta para a conclusão do trecho olímpico do metropolitano", explicou Rodrigo Vieira.

A confirmação surgiu um dia depois de Rodrigo Vieira ter admitido à RJTV que as obras da linha 4 do metropolitano poderiam parar a qualquer momento, na sequência de o Tesouro Nacional ter recusado dar aval à contratação de um empréstimo de 989 milhões de reais (263 milhões de euros) para finalizar a obra.

A dívida com a obra já chega a 350 milhões de reais (97,2 milhões de euros), sendo necessários outros 150 milhões de reais (42 milhões de euros) para pagar outras intervenções necessárias ao funcionamento da nova linha de transporte durante os jogos.

Segundo o secretário dos Transportes, a obra custará, pelo menos, 9,7 mil milhões de reais (2,7 mil milhões de euros).

A linha 4 do metropolitano deve começar a funcionar a 01 de agosto, quatro dias antes do início dos Jogos Olímpicos.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.