sicnot

Perfil

Desporto

Ederson diz que o Benfica tem grandes expetativas para a nova época

O guarda-redes brasileiro Ederson afirmou esta quinta-feira que já está recuperado da lesão e referiu que o grupo de trabalho do Benfica, tricampeão nacional de futebol, tem "grandes expetativas" para a nova temporada.

MANUEL DE ALMEIDA

"Estamos com o espírito muito positivo e com grandes expetativas. Já trabalhámos com bola, para matar saudades, e estamos a finalizar todos os testes médicos", afirmou, segundo o sítio oficial do clube.

O guarda-redes, que assumiu a titularidade depois da lesão de Júlio César, disse que já está recuperado da lesão que o impediu de estar ao serviço da seleção do Brasil na Copa América.

"Já me sinto a 100 por cento, treino de forma normal, fiz exames e estou sem qualquer limitação", referiu.

Ederson, de 22 anos, explicou que se sente um guarda-redes mais maduro, depois de ter alinhado em 18 jogos ao serviço da equipa principal do Benfica na época passada.

"A cada jogo, a cada dia, aprendo mais, ganho mais experiência. E isso adquire-se jogando com frequência. Comigo não é diferente, até porque joguei com alguma regularidade na época passada", concluiu.

A equipa do Benfica, orientada por Rui Vitória, continua os trabalhos de pré-época, numa altura em que o técnico ainda não pode contar com Talisca, Fejsa, Mitroglou, Carcela, Samaris, Lindelöf, Jonas, Raúl e Eliseu, que estão autorizados a se apresentarem mais tarde.

Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.