sicnot

Perfil

Desporto

Federer garante presença nos quartos-de-final em Wimbledon

Depois de derrotar o norte-americano Steve Johnson, o tenista Roger Federer participa pela 14ª vez nos quartos-de-final.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

O recordista de títulos do Grand Slam (17) recordou que tem o hábito de planificar a época com mais de um ano de avanço e assumiu que 2017 já está programado.

© Arnd Wiegmann / Reuters

O tenista suíço e recordista de títulos do 'Grand Slam', Roger Federer, avançou hoje para a sua 14.ª presença nos quartos de final do campeonato de Wimbledon, ao derrotar o norte-americano Steve Johnson em três sets.

O sete vezes campeão do torneio londrino e terceiro cabeça de série igualou assim, com a vitória na quarta ronda por 6-2, 6-3 e 7-5, o recorde de triunfos em 'Grand Slams', que era pertença exclusiva de Martina Navratilova.

Nos quartos-de-final, Federer, que procura em Wimbledon o seu 18.º título em majors, vai defrontar o croata Marin Cilic, apurado após a desistência do japonês Kei Nishikori.

Com Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.