sicnot

Perfil

Desporto

Irmãs Williams mais perto de uma quinta final familiar em Wimbledon

As tenistas norte-americanas Serena e Venus Williams aproximaram-se hoje de uma quinta final entre irmãs em Wimbledon, à qual só chegarão caso vençam, respetivamente, Elena Vesnina e Angelique Kerber nas meias-finais.

© USA Today Sports / Reuters

Numa jornada reservada quase exclusivamente aos quartos de final femininos - só Tomas Berdych pisou a relva do All England Club para concluir com uma vitória o encontro da quarta ronda com o compatriota checo Jiri Vesely -, as irmãs Williams voltaram a ocupar todas as manchetes, com Serena a avançar pela décima vez para as meias-finais do torneio londrino e Venus a apurar-se para a penúltima ronda pela primeira vez em sete anos.

Em busca da revalidação do título e de igualar o recorde de títulos de 'Grand Slam' da Era Open (22), detido pela alemã Steffi Graf, a número um mundial venceu Anastasia Pavlyuchenkova, a 21.ª cabeça de série, por 6-4 e 6-4, em uma hora e 13 minutos.

"Mostraram-me o resultado da Venus no court e eu fiquei extasiada. Quero tanto que ela ganhe, mas não se eu estiver na final", disse a detentora do título e seis vezes campeã, que nas meias-finais vai defrontar Elena Vesnina.

A russa, 50.ª tenista mundial, garantiu que a eslovaca Dominika Cibulkova, 19.ª pré-designada, não adiasse o casamento, derrotando-a por duplo 6-2, e avançou para as meias-finais de um major pela primeira vez na carreira - na realidade, nunca tinha passado dos oitavos de um Grand Slam.

Mas, se no caso de Serena, o favoritismo nas meias está do seu lado, no de Venus, que derrotou Yaroslava Shvedova, por 7-6 (7-5) e 6-2, este recai na alemã Angelique Kerber, a vencedora do Open da Austrália.

"Retirar-me teria sido a saída fácil. Não tenho tempo para o fácil. O ténis é duro. Independentemente do quão difícil as coisas estão, tens de acreditar em ti, não há outra forma", defendeu a tenista de 36 anos, que reinou em Wimbledon durante praticamente uma década, chegando à final oito vezes, entre 2000 e 2009.

Foi na relva do All England Club que Venus conquistou o último dos seus sete Grand Slam, no distante ano de 2008, é no torneio londrino que está a voltar à ribalta - desde 2010 que não conseguia apurar-se para o penúltimo encontro de um major.

No entanto, para assegurar a quinta final familiar no terceiro Slam da temporada, a oitava cabeça de série terá de derrotar a quarta jogadora mundial, que hoje bateu a quinta classificada do ranking, a romena Simona Halep, por 7-5 e 7-6 (7-2).

"Eu adoro jogar este jogo. Quando estás a ganhar, ainda é melhor. Estou a ter um ano em grande, penso que estou a jogar o meu melhor ténis. Espero poder jogar alguns encontros mais", disse a alemã.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.