sicnot

Perfil

Desporto

Messi vai recorrer da sentença por fraude fiscal

O futebolista argentino Lionel Messi, do FC Barcelona, e o pai do jogador, Jorge Messi, vão recorrer para o Supremo Tribunal espanhol da condenação por fraude fiscal entre 2007 e 2009 decretada pela Audiência de Barcelona.

© POOL New / Reuters

Em mensagem enviada hoje aos órgãos de comunicação social, a família Messi e os seus advogados consideram que a sentença "não é correta" e "é quase simbólica".

A Audiência de Barcelona condenou o futebolista argentino Lionel Messi a um ano e nove meses de prisão por fraude fiscal entre 2007 e 2009.

Jorge Messi, pai do jogador, também foi condenado a 21 meses de prisão, uma sentença que, segundo a agência EFE, foi comunicada hoje às partes.

Messi e o pai, também multados num total de 3,7 milhões de euros, deverão escapar à cadeia, uma vez que em Espanha as penas inferiores a dois anos de prisão não são habitualmente cumpridas.

"Depois de conhecer os detalhes da sentença judicial, os advogados de Leo Messi e Jorge Messi consideram que a sentença não é correta (...) segundo os juristas, a mais recente jurisprudência do Supremo Tribunal em matérias relacionadas com o caso em apreço vem dando razão à tese da defesa", pode ler-se.

Os advogados e família Messi manifestam ainda estranheza pela prossecução da acusação, apesar de "terem sido pagas as quantias exigidas pela Autoridade Tributária".

"Os advogados confiam que a sentença que resultará do recurso demonstrará que Leo, tal como o seu pai, se comportou sempre corretamente e pagou tudo o que era devido ao Fisco", escrevem.

O tribunal decidiu hoje pela condenação de Messi e do pai do jogador por três delitos da 'estrela' argentina contra o fisco, cada um punido com sete meses de prisão, depois de apreciada a atenuante para reparar o dano causado.

A multa aplicada a Messi fixou-se em 2,09 milhões de euros e a do seu pai em 1,6 milhões.

No julgamento, o fisco acusava unicamente o pai do jogador argentino, para o qual pediu 18 meses de prisão, enquanto a procuradoria pedia uma condenação para ambos de 22 meses e 15 dias de prisão, por uma fraude fiscal de 4,1 milhões de euros.

Esta receita era proveniente dos direitos de imagem do jogador e incluía pagamentos feitos pelo Banco Sabadell, e pelas empresas Danone, Adidas, Pepsi-Cola, Procter & Gamvle, Konami e a Kuwait Food Company.

Em todo o processo, Messi, de 29 anos, tentou argumentar que desconhecia a gestão feita pelo seu pai e pelos advogados, que utilizavam algumas sociedades no estrangeiro para fazerem circular o dinheiro.

O objetivo das sociedades, com sedes no Reino Unido, Suíça, Belize e Uruguai, era evitarem o pagamento de impostos nas receitas geradas pelos direitos de imagem do futebolista, cinco vezes vencedor da Bola de Ouro.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.