sicnot

Perfil

Desporto

Messi vai recorrer da sentença por fraude fiscal

O futebolista argentino Lionel Messi, do FC Barcelona, e o pai do jogador, Jorge Messi, vão recorrer para o Supremo Tribunal espanhol da condenação por fraude fiscal entre 2007 e 2009 decretada pela Audiência de Barcelona.

© POOL New / Reuters

Em mensagem enviada hoje aos órgãos de comunicação social, a família Messi e os seus advogados consideram que a sentença "não é correta" e "é quase simbólica".

A Audiência de Barcelona condenou o futebolista argentino Lionel Messi a um ano e nove meses de prisão por fraude fiscal entre 2007 e 2009.

Jorge Messi, pai do jogador, também foi condenado a 21 meses de prisão, uma sentença que, segundo a agência EFE, foi comunicada hoje às partes.

Messi e o pai, também multados num total de 3,7 milhões de euros, deverão escapar à cadeia, uma vez que em Espanha as penas inferiores a dois anos de prisão não são habitualmente cumpridas.

"Depois de conhecer os detalhes da sentença judicial, os advogados de Leo Messi e Jorge Messi consideram que a sentença não é correta (...) segundo os juristas, a mais recente jurisprudência do Supremo Tribunal em matérias relacionadas com o caso em apreço vem dando razão à tese da defesa", pode ler-se.

Os advogados e família Messi manifestam ainda estranheza pela prossecução da acusação, apesar de "terem sido pagas as quantias exigidas pela Autoridade Tributária".

"Os advogados confiam que a sentença que resultará do recurso demonstrará que Leo, tal como o seu pai, se comportou sempre corretamente e pagou tudo o que era devido ao Fisco", escrevem.

O tribunal decidiu hoje pela condenação de Messi e do pai do jogador por três delitos da 'estrela' argentina contra o fisco, cada um punido com sete meses de prisão, depois de apreciada a atenuante para reparar o dano causado.

A multa aplicada a Messi fixou-se em 2,09 milhões de euros e a do seu pai em 1,6 milhões.

No julgamento, o fisco acusava unicamente o pai do jogador argentino, para o qual pediu 18 meses de prisão, enquanto a procuradoria pedia uma condenação para ambos de 22 meses e 15 dias de prisão, por uma fraude fiscal de 4,1 milhões de euros.

Esta receita era proveniente dos direitos de imagem do jogador e incluía pagamentos feitos pelo Banco Sabadell, e pelas empresas Danone, Adidas, Pepsi-Cola, Procter & Gamvle, Konami e a Kuwait Food Company.

Em todo o processo, Messi, de 29 anos, tentou argumentar que desconhecia a gestão feita pelo seu pai e pelos advogados, que utilizavam algumas sociedades no estrangeiro para fazerem circular o dinheiro.

O objetivo das sociedades, com sedes no Reino Unido, Suíça, Belize e Uruguai, era evitarem o pagamento de impostos nas receitas geradas pelos direitos de imagem do futebolista, cinco vezes vencedor da Bola de Ouro.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.