sicnot

Perfil

Desporto

Messi vai recorrer da sentença por fraude fiscal

O futebolista argentino Lionel Messi, do FC Barcelona, e o pai do jogador, Jorge Messi, vão recorrer para o Supremo Tribunal espanhol da condenação por fraude fiscal entre 2007 e 2009 decretada pela Audiência de Barcelona.

© POOL New / Reuters

Em mensagem enviada hoje aos órgãos de comunicação social, a família Messi e os seus advogados consideram que a sentença "não é correta" e "é quase simbólica".

A Audiência de Barcelona condenou o futebolista argentino Lionel Messi a um ano e nove meses de prisão por fraude fiscal entre 2007 e 2009.

Jorge Messi, pai do jogador, também foi condenado a 21 meses de prisão, uma sentença que, segundo a agência EFE, foi comunicada hoje às partes.

Messi e o pai, também multados num total de 3,7 milhões de euros, deverão escapar à cadeia, uma vez que em Espanha as penas inferiores a dois anos de prisão não são habitualmente cumpridas.

"Depois de conhecer os detalhes da sentença judicial, os advogados de Leo Messi e Jorge Messi consideram que a sentença não é correta (...) segundo os juristas, a mais recente jurisprudência do Supremo Tribunal em matérias relacionadas com o caso em apreço vem dando razão à tese da defesa", pode ler-se.

Os advogados e família Messi manifestam ainda estranheza pela prossecução da acusação, apesar de "terem sido pagas as quantias exigidas pela Autoridade Tributária".

"Os advogados confiam que a sentença que resultará do recurso demonstrará que Leo, tal como o seu pai, se comportou sempre corretamente e pagou tudo o que era devido ao Fisco", escrevem.

O tribunal decidiu hoje pela condenação de Messi e do pai do jogador por três delitos da 'estrela' argentina contra o fisco, cada um punido com sete meses de prisão, depois de apreciada a atenuante para reparar o dano causado.

A multa aplicada a Messi fixou-se em 2,09 milhões de euros e a do seu pai em 1,6 milhões.

No julgamento, o fisco acusava unicamente o pai do jogador argentino, para o qual pediu 18 meses de prisão, enquanto a procuradoria pedia uma condenação para ambos de 22 meses e 15 dias de prisão, por uma fraude fiscal de 4,1 milhões de euros.

Esta receita era proveniente dos direitos de imagem do jogador e incluía pagamentos feitos pelo Banco Sabadell, e pelas empresas Danone, Adidas, Pepsi-Cola, Procter & Gamvle, Konami e a Kuwait Food Company.

Em todo o processo, Messi, de 29 anos, tentou argumentar que desconhecia a gestão feita pelo seu pai e pelos advogados, que utilizavam algumas sociedades no estrangeiro para fazerem circular o dinheiro.

O objetivo das sociedades, com sedes no Reino Unido, Suíça, Belize e Uruguai, era evitarem o pagamento de impostos nas receitas geradas pelos direitos de imagem do futebolista, cinco vezes vencedor da Bola de Ouro.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    1:41
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • A SIC visitou os bastidores do Santuário de Fátima
    7:43
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52