sicnot

Perfil

Desporto

Médicos alertam que Rio de Janeiro não tem condições para receber Jogos Olímpicos

O Sindicato dos Médicos brasileiro alertou que o Rio de Janeiro não tem condições para receber os Jogos Olímpicos 2016, falando numa situação preocupante com sobrelotação, equipas desfalcadas e falta de medicamentos.

© Ricardo Moraes / Reuters

O alerta foi feito quinta-feira, no seguimento de uma vistoria conjunta com o Conselho Regional de Medicina do Estado em algumas unidades de saúde municipais, consideradas de referência para o atendimento durante os Jogos Olímpicos.

O presidente do Sindicato dos Médicos, Jorge Dárze, revelou aos jornalistas que a vistoria mostrou uma "superlotação dessas unidades, principalmente nos setores de emergência" e "equipas desfalcadas".

Além disso, acrescentou, foram identificados alguns casos de faltas ocasionais de medicamentos, soro e material cirúrgico.

Frisando que se trata de uma "situação grave" e sem "perspetiva de solução no curto prazo", Jorge Dárze fez saber que o sindicato pretende acionar a Defensoria e o Ministério Público.

As duas entidades questionaram ainda o período de formação dos profissionais de saúde para atender à procura durante o maior evento desportivo do mundo, marcada para começar a 21 de julho, apenas 15 dias antes do início dos Jogos.

O presidente do Sindicato dos Médicos alertou que se houver uma ocorrência com múltiplas vítimas, como um acidente de trânsito ou confrontos entre apoiantes das equipas, as vítimas podem sofrer graves consequências por falta de estrutura.

"É uma situação que nos constrange enquanto profissionais de saúde do Rio de Janeiro. Nós vemos as autoridades a afirmarem que está tudo bem, mas os profissionais que trabalham na saúde sabem que não é bem assim", reforçou.

Em declarações ao portal de Internet G1, o secretário de Saúde do município do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, negou problemas e disse que a cidade se preparou para o evento, falando numa "demanda política" por parte dos médicos.

Daniel Soranz informou que foram feitos vários investimentos na área da saúde, como a construção de mais de 150 novas unidades de saúde entre 2008 e 2016, o que duplicou a capacidade de resposta.

"A maioria dos problemas que os turistas têm geralmente são de baixa complexidade, e eles podem procurar as clínicas da família e centro municipais de saúde, com padrão internacional de atenção primária", garantiu.

Nos primeiros Jogos Olímpicos realizados na América do Sul, que decorrem de 05 a 21 de agosto, são esperados 10.500 atletas de 206 países.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.