sicnot

Perfil

Desporto

Mercedes dispensa recurso de sanção a Rosberg no Grande Prémio da Grã-Bretanha

A Mercedes decidiu não recorrer da sanção aplicada a Nico Rosberg, piloto da escuderia alemã que no Grande Prémio da Grã-Bretanha foi penalizado em 10 segundos por violação das regras relativas às comunicações rádio em prova.

© Reuters Staff / Reuters

A penalização acarretou a despromoção do piloto alemão ao terceiro lugar na prova, tendo o holandês Max Verstappen (Red Bull) ascendido ao segundo posto.

A sanção implicou ainda a diminuição de quatro para apenas um ponto a vantagem de Rosberg, líder do Mundial de Fórmula 1, para o segundo classificado, o britânico Lewis Hamilton (Mercedes), seu companheiro de equipa e que venceu o Grande Prémio da Grã-Bretanha.

A escuderia alemã tinha sinalizado inicialmente a sua intenção de recorrer do castigo, mas hoje afastou essa possibilidade.

Em causa está a conversa rádio que o piloto da Mercedes manteve com a sua equipa, numa altura em que enfrentou problemas na caixa de velocidades no final da prova.

Os comissários da prova concluíram que parte do aconselhamento dado pelos engenheiros da Mercedes viola os regulamentos (que especificam o que pode ou não ser objeto de aconselhamento por parte da equipa durante a corrida).

"Foi um problema muito crítico, pelo que me disseram apenas o que seria necessário fazer", explicou Rosberg, em conferência de imprensa.

A próxima prova do Mundial, o Grande Prémio da Hungria, disputa-se a 24 de julho.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.