sicnot

Perfil

Desporto

Alberto Contador falha Jogos Olímpicos

​O ciclista Alberto Contador (Tinkoff), que abandonou a Volta à França no último domingo, assegurou hoje que assinará "em breve" um acordo com uma equipa, já a pensar na próxima época e no seu regresso, na Vuelta.

© Javier Barbancho / Reuters

Contador, que venceu a Grande Boucle em 2007 e 2009, abandonou no domingo o Tour durante a nona etapa, explicando que se sentia febril e que não conseguia continuar, numa edição em que já sofreu duas quedas.

"Vamos assinar um acordo em breve com uma equipa. Vamos chegar a um acordo rapidamente e no próximo ano vamos tentar de novo", salientou o ciclista espanhol, depois de uma ida ao médico para avaliar as lesões.

De acordo com o clínico Manuel Leyes, o corredor tem uma rotura fibrilar de grau 2 num músculo da coxa e uma outra no gémeo esquerdo, além de "múltiplas contusões", em especial na região do ombro direito.

Lesões que impedem a participação do espanhol nos Jogos Olímpicos do Rio2016, competição que era, de acordo com Contador, o "segundo objetivo do ano" - a seguir ao Tour -, pelo que concentrará os seus esforços na Volta a Espanha, que já venceu em 2008, 2012 e 2014.

"A questão não é se estarei recuperado ou não das lesões, mas se posso chegar em ótimas condições", justificou, em relação à ausência praticamente certa dos Olímpicos de 2016 e à presença na corrida espanhola, que vai ser disputada entre os dias 20 de agosto e 11 de setembro.

O corredor, que disse estar em conversações avançadas com uma equipa lembrou, no entanto, que é corredor da Tinkoff até final do ano, quando termina o contrato com a equipa russa, que não estará no pelotão no próximo ano.

Com Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01