sicnot

Perfil

Desporto

Benzema não foi afastado em definitivo da seleção francesa

O presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), Noël Le Graët, reiterou hoje que Karim Benzema, envolvido num processo judicial, não foi afastado da seleção em definitivo, mas escusou-se a adiantar uma data para o seu regresso.

© Stephane Mahe / Reuters

"Sempre o considerei um bom jogador e ele não foi suspenso para toda a sua vida", considerou Noël Le Graët, acrescentando que o selecionador pode não convocar um jogador que não está castigado se entender que é o melhor para o grupo.

Noël Le Graët, que falava numa conferência de imprensa para avaliar o Euro2016, insistiu que aguarda o desenvolvimento do processo judicial em curso a Benzema, envolvido num alegado caso de chantagem de cariz sexual.

Mas além do 'caso Benzema', o presidente da FFF destacou o desempenho dos jogadores gauleses no Euro 2016, que a anfitriã França perdeu no prolongamento da final disputada com Portugal (1-0).

A federação francesa decidiu excluir da seleção para o Euro2016 o jogador Karim Benzema, por o seu nome estar envolvido numa suposta chantagem de cariz sexual com um vídeo que envolve ainda o também internacional gaulês Mathieu Valbuena.

Benzema defendeu, nos dias anteriores ao início do Euro2016, que a sua ausência se devia ao facto de o selecionador francês, Didier Deschamps, ter "cedido à pressão de uma parte racista da França", dadas as suas origens magrebinas.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras