sicnot

Perfil

Desporto

Nelson Évora desvaloriza resultado do Europeu comparando-se à seleção de futebol

Nelson Évora comparou-se hoje à seleção portuguesa de futebol, que começou mal e acabou por se tornar campeã europeia, para desvalorizar a ausência na final do triplo salto dos Campeonatos da Europa de Amesterdão (Holanda).

© Dylan Martinez / Reuters

"Vamos passo a passo, acho que tem de ser assim. Temos a prova disso através da equipa de futebol, que não jogou da melhor forma a fase de grupos e que com três empates conseguiu passar. Essa sempre foi a minha forma de estar, independentemente de ser o número um ou o pior, que é o caso neste momento -- no 'ranking' sou um dos piores. Mas isso pouco importa. É uma prova que vai começar do zero e o principal objetivo no dia da qualificação é passar à final e no dia da final será dar o melhor salto possível", disse o campeão olímpico de Pequim2008, referindo-se aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

À margem da apresentação da seleção de atletismo que vai representar Portugal nos Jogos Olímpicos, no Centro de Alto Rendimento do Jamor (Oeiras), Nelson Évora frisou que os seus treinos sempre lhe deram boas indicações, mas reconheceu que as maiores competições da época não lhe correram de feição.

"As provas não mostraram aquilo que tenho mostrado nos treinos, mas, como disse, e volto a repetir, há que continuar a acreditar e preparar da melhor forma os Jogos", concluiu.

Nelson Évora não conseguiu a qualificação para a final do triplo salto do Campeonato da Europa de pista ao ar livre, que decorreu em Amesterdão, ao ser 17.º na fase de qualificação, entre os 27 saltadores em competição, com um salto de 16,27 metros.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.