sicnot

Perfil

Desporto

Paulo Lopes diz que está pronto a defender a baliza do Benfica

O guarda-redes da equipa de futebol do Benfica Paulo Lopes afirmou hoje que está preparado para jogar, desejando que Ederson, colega de posto que foi operado ao joelho, regresse o mais rápido possível.

REUTERS

Numa altura em que Ederson foi operado ao joelho e Júlio Cesar ainda apresenta limitações, Paulo Lopes assegurou que está pronto para jogar, explicando que a decisão de o Benfica contratar mais um guarda-redes cabe ao clube.

"Estou pronto. Essa decisão cabe ao Benfica e não a mim, a nós compete-nos dar sempre o melhor pelo clube. Todos os jogadores do Benfica têm a sua oportunidade e todos estão preparados para jogar", afirmou.

Paulo Lopes disse que já teve oportunidade de falar com Ederson depois da intervenção cirúrgica a que foi sujeito e que o brasileiro lhe confidenciou estar "tudo bem".

"Estamos à espera que melhore e regresse o quanto antes", afirmou.

O veterano guarda-redes referiu que as duas primeiras semanas de trabalho da equipa estão a "correr bem", explicando que os reforços se estão a adaptar ao clube.

"Os reforços estão a integrar-se bem. O nosso balneário é uma família, é muito unido e todos são bem recebidos. Transmitimos a mística do Benfica, mostramos o que é o clube e agora é trabalhar para alcançar os objetivos", defendeu.

No treino que decorreu hoje à tarde no Centro de Estágio do Seixal, o técnico Rui Vitória já contou com o reforço Zivkovic.

O médio sérvio, de 20 anos, participou na sessão de trabalho, ao contrário de Marçal e Dawidowicz, que fizeram trabalho de ginásio. Ausente esteve também Ederson, que foi submetido a uma artroscopia do joelho direito por lesão meniscal interna.

O treino começou com uma conversa entre a equipa técnica liderada por Rui Vitória e o grupo de trabalho. Após a breve palestra seguiram-se os alongamentos e alguns exercícios com bola.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24