sicnot

Perfil

Desporto

Os 17 convocados possíveis da seleção olímpica de futebol

Em desenvolvimento

O selecionador português olímpico de futebol, Rui Jorge, convocou hoje sete jogadores da equipa finalista no Europeu de 2015 de sub-21, numa lista "possível" para o Rio 2016, construída de forma "surreal".

JOSE COELHO / Lusa

O guarda-redes Bruno Varela, os defesas Ricardo Esgaio, Tiago Ilori e Tobias Figueiredo, o médio Sérgio Oliveira e os avançados Carlos Mané e Gonçalo Paciência são os resistentes da seleção portuguesa que conquistou o apuramento olímpico e é atual vice-campeã Europeia.

"É a possível, quando escolhemos 35 jogadores [para a pré-convocatória], fizemo-lo com o grupo que seria ideal para os Jogos Olímpicos. Atendendo às negas que levamos de alguns clubes, desses 35 apenas conseguimos 11 jogadores, logo aí ficámos limitados", explicou Rui Jorge, em conferência de imprensa.

O selecionador disse ainda ter escolhido mais oito jogadores, "que também foram negados", acrescentando que a lista ficou reduzida a 17, por "há cerca de 40 minutos um telefonema ter retirado um que estava entre os confirmados".

No torneio olímpico de futebol, Portugal, que tem como melhor desempenho em Jogos o quarto lugar em Atlanta1996, vai defrontar Argentina, a 4 de agosto, Honduras, três dias depois, e Argélia, a 10 de agosto, no Grupo D.

Lista dos 17 convocados:

Guarda-redes: Bruno Varela (Vitória de Setúbal) e Joel Pereira (Manchester United, Ing)

Defesas: Edgar Ié (Villarreal, Esp), Ricardo Esgaio (Sporting), Tiago Ilori (Liverpool) e Tobias Figueiredo (Sporting)

Médios: André Martins (sem clube), Bruno Fernandes (Udinese, Ita), Fábio Sturgeon (Belenenses), Francisco Ramos (FC Porto), Sérgio Oliveira (FC Porto), Tiago Silva (Belenenses) e Tomás Podstawski (FC Porto)

Avançados: Carlos Mané (Sporting), Gonçalo Paciência (FC Porto), Nuno Santos (Vitória de Setúbal) e Salvador Agra (Nacional)

Com Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01