sicnot

Perfil

Desporto

Rússia anuncia suspensão de visados no relatório sobre escândalo de doping

A Rússia anunciou hoje que os responsáveis visados no relatório que dá conta da existência de um programa de dopagem no desporto russo com apoio estatal serão suspensos durante o inquérito.

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Os responsáveis referidos no relatório como sendo os executores diretos [das infrações] serão temporariamente suspensos de funções até ao final do inquérito", indicou o Kremlin, em comunicado, sem especificar a identidade dos visados.

O presidente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), Craig Reedie, tinha apelado hoje à Rússia para afastar os responsáveis visados no relatório McLaren, que demonstrou a existência de um sistema de dopagem de Estado durante os Jogos Olímpicos de Sotchi, em 2014.

"O relatório McLaren confirma que, no mínimo, a Agência Antidoping russa não poderá manter a sua acreditação enquanto não tenham sido afastados todos os responsáveis ao serviço do Ministério do Desporto e das agências governamentais em causa", pode ler-se no comunicado.

A AMA salientou, em especial, a responsabilidade do ministro russo dos Desportos, Vitaly Mutko, que é também membro do Comité Executivo da FIFA.

"A AMA exorta o Comité de Ética da FIFA a estudar as acusações relativas ao papel desempenhado pelo membro do seu comité executivo", prosseguem.

De acordo com o relatório independente elaborado para a AMA pelo professor canadiano Richard McLaren, o governo russo dirigiu um programa de dopagem no desporto com apoio estatal, com participação ativa do ministro dos Desportos e dos serviços secretos.

O relatório refere que o programa "à prova de falhas" foi colocado em prática pelos responsáveis russos, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

De acordo com o documento, o ministro dos desportos da Rússia, Vitaly Mutko, teve "participação ativa" neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Sochi.

"O laboratório de Moscovo operou para a proteção de atletas russos dopados, dentro de um sistema 'à prova de falhas' conduzido pelo estado", especifica o relatório de Richard McLaren.

Na mesma conclusão, o responsável diz que o "laboratório de Sochi operou um método de troca de amostras, para permitir que os atletas russos dopados competissem nos Jogos Olímpicos de Inverno".

A análise diz ainda que o ministro dos desportos russo teve uma intervenção direta no processo.

"Dirigiu, controlou e supervisionou a manipulação dos resultados dos atletas ou da troca da amostra, e contou com a participação e assistência ativa da FSB (serviços federais secretos russos), do CSP (Centro de Preparação Desportiva dos Atletas Russos) e dos laboratórios de Moscovo e Sochi", lê-se.

Richard McLaren foi a pessoa encarregada da investigação às acusações feitas pelo antigo diretor do laboratório antidopagem, Grigory Rodchenkov, atualmente a viver nos Estados Unidos, e que revelou como os serviços secretos ajudavam a ocultar o doping.

"Estou firmemente confiante no nosso relatório", disse McLaren, acrescentando que o mesmo "é credível e verificável".

O professor responsável disse também que o testemunho de Rodchenkov foi credível e que se trata de alguém verdadeiro.

De acordo com McLaren, cujo relatório foi hoje tornado público em Toronto, o programa intrincado de doping na Rússia "trabalhava como um relógio suíço" e ajudou pelo menos 15 atletas a serem medalhados.

O documento não visa apenas os Jogos Olímpicos de Sochi, mas também os Mundiais de atletismo de 2013, em Moscovo, com McLaren a apontar para a troca de amostras de urina positivas, antes de as mesmas serem levadas para análise.

Lusa

l

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.