sicnot

Perfil

Desporto

Marcelo tentou jogar hóquei no liceu "sem sucesso"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, partilhou esta terça-feira memórias de infância e adolescência relacionadas com o hóquei em patins e contou que tentou jogar essa modalidade no liceu "sem sucesso algum".

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Numa receção à seleção portuguesa de hóquei em patins, na Sala das Bicas do Palácio de Belém, em Lisboa, o chefe de Estado considerou que em Portugal "os mais velhinhos redescobriram e os mais jovens descobriram" esta modalidade, com a conquista do Campeonato da Europa, no sábado, frente à Itália.

"Descobriram a qualidade excecional desta equipa. Isso fez bem ao ego nacional, fez muito bem ao ego nacional", acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que o hóquei em patins "faz parte das memórias de muitas e muitos portugueses" e partilhou as suas, dos anos 50 e 60, dizendo que não esquece, por exemplo, "um guarda-redes chamado Matos, a quem, no tempo em que não havia máscara, partiram muitos dos dentes num remato certeiro".

O Presidente lembrou "jogadores que competiam ao mesmo tempo no futebol e no hóquei em patins, como é o caso de Jesus Correia", e disse que "era muito habitual em miúdo ir assistir a jogos de hóquei em patins, ou a Paço de Arcos, ou a Campo de Ourique, ou a Oeiras, três clubes importantes e que tinham os seus recintos desportivos".

"A minha infância foi passada assim, a minha infância e adolescência, nesse universo. Quando não podia assistir, e nós normalmente não assistíamos, ouvíamos os relatos de Artur Agostinho, que eram verdadeiramente emocionantes. Quando da rádio se passou para a televisão, houve um momento inicial de desilusão", recordou.

Voltando-se para os jovens atletas da seleção campeã europeia, o Presidente da República adiantou: "Sendo certo que no liceu em que andei havia equipas de hóquei em patins, eu tentei realmente fazer parte da equipa de hóquei em patins, mas sem sucesso algum".

O Presidente da República salientou que várias gerações cresceram "com o hóquei em patins como uma grande competição, como uma grande modalidade, como uma forma de afirmação nacional muito significativa naqueles tempos".

"Eu apenas recordei estas memórias para dizer como havia uma pré-história, uns antecedentes da parte do cidadão Marcelo Rebelo de Sousa em relação ao hóquei em patins", justificou, antes de condecorar os jogadores e treinadores da seleção portuguesa com a Ordem do Mérito.

"Mostraram que eram de longe os melhores", disse-lhes.

O chefe de Estado defendeu que o mérito desta seleção "é duplo", porque já "é difícil ser-se campeão da Europa em qualquer modalidade desportiva" e Portugal não vencia um campeonato europeu de hóquei em patins há 18 anos.

Referindo-se ao jogo da final contra a Itália, que esteve a vencer, mas acabou derrotada por 6-2, Marcelo Rebelo de Sousa declarou que sofreu até ao intervalo, "mas depois tinha a certeza de que a segunda parte iria ser o que tinha sido a carreira toda até àquele momento".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.