sicnot

Perfil

Desporto

Nadal e Federer anunciam ausência do Masters 1000 de Toronto

O espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer anunciaram hoje que não estarão presentes no Masters 1000 canadiano de Toronto, torneio que antecede os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, de 5 a 21 de agosto.

© Anindito Mukherjee / Reuters

"Lamento anunciar que não estarei disponível para jogar em Toronto este ano. Apenas pude treinar uma semana desde que recuperei da lesão e não estou preparado para um torneio tão importante", declarou o tenista espanhol.

Roger Federer, por seu turno, também confirmou que estará ausente de Toronto, indicando que necessita de "mais tempo" para recuperar de Wimbledon.

As ausências de Rafael Nadal e de Roger Federer juntam-se à já conhecida de Andy Murray, que recentemente venceu o torneio de Wimbledon.

Recentemente, Rafael Nadal foi, juntamente com Albert Ramos, autorizado pela Federação Internacional de Ténis (ITF) a participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

A Federação Espanhola de Ténis (RFET) tinha recorrido da exclusão dos atletas espanhóis, por não cumprirem os critérios de qualificação para os olímpicos.

O britânico Andy Murray e a norte-americana Serena Williams vão defender no Rio de Janeiro os respetivos títulos olímpicos.

O número um do mundo, o sérvio Novak Djokovic, também estará presente.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.