sicnot

Perfil

Desporto

Responsáveis do futebol em Inglaterra pediram respeito aos jogadores

© Reuters Staff / Reuters

As entidades que promovem o futebol em Inglaterra pediram hoje aos futebolistas para que mostrem mais respeito pelos árbitros, no sentido de que sejam evitados comportamentos petulantes, insultos e gestos despropositados.

Num comunicado conjunto subscrito pela Premier League, Federação inglesa (FA) e Football League, face à crescente tendência dos jogadores perseguirem os árbitros, as entidades anunciaram que uniram forças na tentativa de acabar com o problema.

Os responsáveis pelo futebol em Inglaterra estão preocupados com as situações, cada vez mais comuns nos relvados, de jogadores e dirigentes rodearem os árbitros de forma ameaçadora, estabelecendo contacto físico e gritando insultos, que são um mau exemplo para os mais jovens.

Um dos incidentes que sustenta a necessidade de adoção de uma abordagem mais dura a este problema envolveu o avançado Jamie Vardy, do campeão Leicester, expulso pelo árbitro Jonathan Moss, em abril, após um pretenso mergulho no jogo com o West Ham.

Outro dos exemplos apontados pelos dirigentes ingleses como a evitar envolveu os incidentes e picardias entre jogadores no empate a 2-2 entre o Tottenham e o Chelsea, em maio, e que originou a aplicação de pesadas multas a ambos os clubes.

O Chelsea e o Tottenham foram multados em 375 mil libras (477 mil euros) e 225 mil libras (286 mil euros), respetivamente, dada a incapacidade revelada dos dois clubes londrinos em "controlarem os seus jogadores e restantes membros da equipa".

Ao longo da partida, que terminou com um empate 2-2, sucederam-se as entradas duríssimas e as agressões, com o árbitro Mark Clattenberg a mostrar por 12 vezes o cartão amarelo, nove a jogadores do Tottenham, que acabaram o jogo completamente de 'cabeça perdida' (o Tottenham necessitava de vencer para se manter na corrida ao título).


Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.