sicnot

Perfil

Desporto

Responsáveis do futebol em Inglaterra pediram respeito aos jogadores

© Reuters Staff / Reuters

As entidades que promovem o futebol em Inglaterra pediram hoje aos futebolistas para que mostrem mais respeito pelos árbitros, no sentido de que sejam evitados comportamentos petulantes, insultos e gestos despropositados.

Num comunicado conjunto subscrito pela Premier League, Federação inglesa (FA) e Football League, face à crescente tendência dos jogadores perseguirem os árbitros, as entidades anunciaram que uniram forças na tentativa de acabar com o problema.

Os responsáveis pelo futebol em Inglaterra estão preocupados com as situações, cada vez mais comuns nos relvados, de jogadores e dirigentes rodearem os árbitros de forma ameaçadora, estabelecendo contacto físico e gritando insultos, que são um mau exemplo para os mais jovens.

Um dos incidentes que sustenta a necessidade de adoção de uma abordagem mais dura a este problema envolveu o avançado Jamie Vardy, do campeão Leicester, expulso pelo árbitro Jonathan Moss, em abril, após um pretenso mergulho no jogo com o West Ham.

Outro dos exemplos apontados pelos dirigentes ingleses como a evitar envolveu os incidentes e picardias entre jogadores no empate a 2-2 entre o Tottenham e o Chelsea, em maio, e que originou a aplicação de pesadas multas a ambos os clubes.

O Chelsea e o Tottenham foram multados em 375 mil libras (477 mil euros) e 225 mil libras (286 mil euros), respetivamente, dada a incapacidade revelada dos dois clubes londrinos em "controlarem os seus jogadores e restantes membros da equipa".

Ao longo da partida, que terminou com um empate 2-2, sucederam-se as entradas duríssimas e as agressões, com o árbitro Mark Clattenberg a mostrar por 12 vezes o cartão amarelo, nove a jogadores do Tottenham, que acabaram o jogo completamente de 'cabeça perdida' (o Tottenham necessitava de vencer para se manter na corrida ao título).


Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.