sicnot

Perfil

Desporto

Responsáveis do futebol em Inglaterra pediram respeito aos jogadores

© Reuters Staff / Reuters

As entidades que promovem o futebol em Inglaterra pediram hoje aos futebolistas para que mostrem mais respeito pelos árbitros, no sentido de que sejam evitados comportamentos petulantes, insultos e gestos despropositados.

Num comunicado conjunto subscrito pela Premier League, Federação inglesa (FA) e Football League, face à crescente tendência dos jogadores perseguirem os árbitros, as entidades anunciaram que uniram forças na tentativa de acabar com o problema.

Os responsáveis pelo futebol em Inglaterra estão preocupados com as situações, cada vez mais comuns nos relvados, de jogadores e dirigentes rodearem os árbitros de forma ameaçadora, estabelecendo contacto físico e gritando insultos, que são um mau exemplo para os mais jovens.

Um dos incidentes que sustenta a necessidade de adoção de uma abordagem mais dura a este problema envolveu o avançado Jamie Vardy, do campeão Leicester, expulso pelo árbitro Jonathan Moss, em abril, após um pretenso mergulho no jogo com o West Ham.

Outro dos exemplos apontados pelos dirigentes ingleses como a evitar envolveu os incidentes e picardias entre jogadores no empate a 2-2 entre o Tottenham e o Chelsea, em maio, e que originou a aplicação de pesadas multas a ambos os clubes.

O Chelsea e o Tottenham foram multados em 375 mil libras (477 mil euros) e 225 mil libras (286 mil euros), respetivamente, dada a incapacidade revelada dos dois clubes londrinos em "controlarem os seus jogadores e restantes membros da equipa".

Ao longo da partida, que terminou com um empate 2-2, sucederam-se as entradas duríssimas e as agressões, com o árbitro Mark Clattenberg a mostrar por 12 vezes o cartão amarelo, nove a jogadores do Tottenham, que acabaram o jogo completamente de 'cabeça perdida' (o Tottenham necessitava de vencer para se manter na corrida ao título).


Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC