sicnot

Perfil

Desporto

Federação de Judo espera participação de atletas russos limpos

A Federação Internacional de Judo (FIJ) disse hoje esperar que todos os atletas russos "que não se tenham envolvido em atividades de doping" possam participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, com início a 5 de agosto.

Dmitry Lovetsky

"Na sequência da publicação do relatório McLaren, bem como dos últimos desenvolvimentos no mundo do desporto, expressamos o nosso apoio a todos os atletas russos que não se tenham envolvido em atividades de doping", pode ler-se em comunicado hoje divulgado.

O documento, assinado pelo presidente da FIJ, Marius Vizer, refere ainda a importância da presença dos judocas russos no Rio de Janeiro, lembrando o peso da Rússia e o contributo de Moscovo para o desenvolvimento deste desporto.

"Acreditamos que os Jogos Olímpicos devem dar uma mensagem de unidade e solidariedade aos atletas e aos povos do mundo. Esperamos que, ao permitir a participação de atletas russos nos Jogos do Rio, enviemos uma mensagem positiva às novas gerações, que merecem exemplos de amizade e não de guerra fria", escrevem.

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) rejeitou hoje o recurso dos atletas russos à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), confirmando a ausência dos Jogos Olímpicos Rio2016.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.

De acordo com esse relatório, divulgado na segunda-feira, o Governo russo dirigiu um programa de dopagem no desporto com apoio estatal, com participação ativa do ministro dos Desportos e dos serviços secretos.

O relatório do professor canadiano Richard McLaren refere que o programa "à prova de falhas" foi colocado em prática pelos responsáveis russos, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

De acordo com o documento, o ministro dos desportos da Rússia, Vitaly Mutko, teve "participação ativa" neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Sochi.

"O laboratório de Moscovo operou para a proteção de atletas russos dopados, dentro de um sistema à prova de falhas conduzido pelo estado", especifica o relatório de Richard McLaren.

O Comité Olímpico Internacional (COI), que aguardava pela resolução do TAS hoje conhecida, vai reunir-se no domingo, por telefone, para estudar o veredito.

De acordo com a agência noticiosa francesa AFP, citando um porta-voz do COI, a Comissão Executiva do organismo olímpico poderá anunciar uma decisão final relativamente à suspensão da Rússia do maior evento desportivo mundial, por enquanto, limitada apenas ao atletismo.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.