sicnot

Perfil

Desporto

Ceferin, Van Praag e Villar oficialmente na corrida à UEFA

A UEFA validou hoje as três candidaturas do esloveno Aleksander Ceferin, do holandês Michael van Praag e do espanhol Ángel María Villar à presidência do organismo, cujas eleições decorrem em 14 de setembro, em Atenas.

A data limite de apresentação de candidaturas foi na quarta-feira e os três candidatos são presidentes das federações dos respetivos países.

Ángel María Villar, de 66 anos, dirige a federação espanhola desde 1988. É presidente interino da UEFA, na sequência da suspensão provisória de Michel Platini, decretada pela FIFA e confirmada posteriormente pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

Villar, que testemunhou a favor de Platini diante do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), é um dos vice-presidentes da UEFA desde 2000 e preside a Comissão de Árbitros e, como substituto, a Comissão do Estatuto, Transferências, Agentes de Jogadores e Jogos.

Michael van Praag tem 68 anos, é vice-presidente da UEFA e membro do seu Comité Executivo.

Jurista de 48 anos, Aleksander Ceferin é o patrão do futebol esloveno desde 2011 e, ao contrário dos outros concorrentes, não desempenha qualquer função na UEFA.

O sucessor de Michael Platini, afastado na sequência de escândalo de corrupção na FIFA, vai ser escolhido em congresso eleitoral extraordinário.

Com Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.