sicnot

Perfil

Desporto

Chris Froome assegura que queda não deixou sequelas graves

O camisola amarela Chris Froome disse hoje que está fora de perigo, depois da queda que sofreu na 19.ª etapa e recordou que o Tour só termina quando cortar a meta em Paris.

© Juan Medina / Reuters

"Sinto-me bem, estou fora de perigo. Não tenho nada de grave. Deslizei ao passar numa marcação da estrada e caí. Tive muita sorte, porque podia ter ficado seriamente magoado. É o tipo de dia em que eu fico contente por ter quatro minutos de vantagem [na classificação geral]", assumiu o duplo vencedor da Volta a França.

O ciclista britânico, que subiu ao pódio com o joelho ligado e com gelo, exaltou ainda a atitude do companheiro Geraint Thomas, que lhe cedeu a bicicleta para que regressasse à corrida o mais rapidamente possível.

"A minha já não estava em condições depois do acidente. Hoje, tivemos a demonstração de que o Tour só termina quando cortamos a linha de chegada", salientou Froome.

O azar do camisola amarela foi a sorte de Romain Bardet, que subiu à segunda posição da geral, ao vencer a 19.ª etapa, no alto de Saint-Gervais Mont Blanc.

"Estava um pouco amargurado com os comentários negativos, com as críticas de que não havia ataques e este era um Tour soporífero, mas nós estamos todos a dar o máximo. Sabia estar na forma da minha vida, só estava à espera das circunstâncias ideais, sem planear nada. Agora, quero saborear as coisas à medida que elas forem surgindo", disse o francês, confessando que estar no pódio em Paris seria "um conto de fadas".

O outro grande beneficiado dos azares da jornada foi o colombiano Nairo Quintana, que subiu ao terceiro lugar e ganhou tempo a Froome, depois de dias de más sensações.

"É como se fosse um milagre poder estar aqui [no pódio], estava muito mal. O que se passa no meu corpo é difícil explicar. Lutei toda a jornada, foi um dia duríssimo. São os companheiros que me mantêm na bicicleta, porque o corpo não funciona, as pernas não andam", descreveu o chefe de fila da Movistar.

Quintana destronou o jovem Adam Yates do terceiro lugar, com o líder da juventude a reconhecer que se sentiu mal ainda antes da subida final e que na ascensão do Mont Blanc simplesmente não conseguiu seguir o grupo de favoritos.

"É o meu primeiro dia mau no Tour, por isso posso dar-me por satisfeito. Agora, o meu objetivo é manter a camisola branca até Paris. É preciso sofrer mais um dia", completou.

Mas o grande derrotado do dia foi mesmo Bauke Mollema, que deu um trambolhão do segundo para o décimo lugar da geral, após ter sido uma das vítimas das quedas da 19.ª etapa.

"Caí, levantei-me e tentei seguir uma moto, mas era uma zona de descida, com muitas curvas e várias quedas à minha frente. Depois formaram-se vários grupos e comecei a subida com um atraso de 20 segundos e nunca mais conseguir recolar. Não estou ferido, só tenho cortes na cintura e no cotovelo. A classificação geral está perdida", lamentou o abatido holandês.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.