sicnot

Perfil

Desporto

Velejadores Diogo Costa e Pedro Costa sagram-se campeões do mundo

Os velejadores portugueses Diogo Costa e Pedro Costa sagraram-se hoje campeões mundiais da classe 420, em San Remo, ao terminarem em terceiro e oitavo as últimas regatas disputadas ao largo da comuna italiana situada na Ligúria.

Federação Portuguesa de Vela

"Cumprimos o nosso sonho. Viemos para o Mundial com expectativas menos elevadas, mas conseguimos superar-nos. Foi complicado, tivemos altos e baixos durante esta competição mas hoje tivemos opções acertadas e chegámos ao título", disse Pedro Costa, em declarações ao site da Federação Portuguesa de Vela (FPV).

Diogo Costa e Pedro Costa terminaram o Mundial de 420 no lugar mais alto do pódio, seguidos dos norte-americanos Wiley Rogers/Jack Parkin e dos gregos Vasilios Gourgiotis/Orestis Batsis, segundos e terceiros classificados, respetivamente.

Ao longo de doze regatas, conseguiram três vitórias e dois terceiros lugares, entre outros. No último dia de regatas, os velejadores do Clube de Vela Atlântico delinearam uma estratégia, bastou-lhes um terceiro e um sétimo lugar para se sagrarem campeões do mundo em 420.

Ainda no Grupo de Ouro da frota Open, os portugueses Tomás Barreto/João Prieto foram 23.ºs, Rita Lopes/Pedro Cruz ficaram no 35.º lugar e João Bolina/Francisco Rodrigues acabaram em 45.º.

Em sub-17, a dupla Afonso Albuquerque/Gonçalo Cruz terminou na 46.ª posição, Mafalda Gonçalves/Maria Pereira no 64.º lugar, Nuno Azevedo/Miguel Campos em 66.º e Afonso Marques/Francisco Ferreira em 67.º.

Os gregos Telis Athanasopoulos Yogo/Dimitris Tassios venceram a categoria, com os espanhóis Eduard Ferrer/Carlos De Maqua e os franceses Enzo Balanger/Gaultier Tallieu, a serem segundos e terceiros, respetivamente.

Com Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.