sicnot

Perfil

Desporto

UEFA destaca Diogo Gonçalves entre os dez jogadores do Europeu Sub-19

(Arquivo)

DENIZ CALAGAN

O médio português Diogo Gonçalves figura entre os dez talentos a seguir destacados pela UEFA entre os jogadores que competiram no Campeonato da Europa Sub-19, que no domingo terminou com a vitória da França.

UEFA

Com as finalistas França e Itália a surgirem com dois jogadores cada, entre a dezena de eleitos, o médio do Benfica foi apontado como o cérebro da seleção de Emílio Peixe, derrotada na meia-final pelos gauleses.

"Rápido e pensar e a executar, Gonçalves foi uma ameaça constante na seleção de Portugal a jogar na posição 10", lê-se no texto publicado no site da UEFA, que acrescenta: "O jovem jogador do Benfica deu nas vistas na fase de grupos frente à Áustria e à Itália, desencadeando os contra-ataques da sua equipa de uma forma lúcida e inteligente que desmentia a sua idade".

O máximo goleador da prova, Jean-Kévin Augustin, com seis golos, e Kylian Mbappé, ambos de França, Federico de Marco e Manuel Locatelli, em representação da finalista vencida Itália, são outros dos destaques de uma lista que incluiu ainda mais cinco nomes.

Steven Bergwijn (Holanda), Josip Brekalo (Croácia), Phillip Ochs (Alemanha), Xavier Schlager (Áustria) e Dominic Solanke (Inglaterra) completam o lote de dez jogadores a acompanhar indicados pela UEFA.

A França completou o hat-trick de vitórias na prova após golear no domingo a Itália na final por 4-0.


Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.