sicnot

Perfil

Desporto

Portugueses em maioria na partida da Volta a Portugal

Os portugueses estão em maioria na partida para a 78.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta, esta quarta-feira, em Oliveira de Azeméis, num pelotão com 143 corredores, apesar da redução para oito por equipa.

Depois dois anos de 'queda', a Volta a Portugal volta a registar um aumento do número de inscritos, um ano depois de a União Ciclista Internacional (UCI) ter permitido, por exceção, a participação de nove elementos por equipa.

Este ano, cumprindo os regulamentos, 17 das 18 equipas inscreveram oito corredores, à exceção da dominicana Inteja-MMR, que arranca apenas com sete elementos para o prólogo de quarta-feira, em Oliveira de Azeméis.

O pelotão mais numeroso da Volta a Portugal foi o da 62.ª edição, em 2000, que teve 179 corredores à partida, batendo o recorde estabelecido no ano anterior, com 170.

Em 1993, ano da segunda vitória de Joaquim Gomes, atual diretor da corrida, alinharam à partida apenas 107 ciclistas.

Portugal, proveniência de seis equipas, é a nação mais representada na edição de 2016, seguida da espanhola, com 32, mas com apenas duas equipas.

O pelotão conta ainda representações de Colômbia (11), França (10), Itália (9), Cazaquistão e Rússia (8), Austrália (6), Alemanha (5), Brasil (4), Suíça (3), Dinamarca (2) e República Dominicana (2), sendo que há ainda elementos solitários de nacionalidade austríaca, namibiana, neozelandesa, uruguaia e norte-americana.

Com Lusa

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.