sicnot

Perfil

Desporto

Equipa do exército francês quer vencer uma etapa da Volta a Portugal

NUNO VEIGA/ LUSA

A equipa do exército francês Armée de Terre apresentou-se na 78.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta com a ambição de vencer uma etapa e celebrá-la da forma habitual, ou seja, com champanhe.

O diretor desportivo e precursor da equipa, David Lima da Costa, excluiu saudações militares caso um dos oito corredores cumpra o objetivo, "só champanhe e festa", admitindo, contudo, uma exceção.

"Se tocar 'A Marselhesa' vamos pôr-nos em sentido", referiu David Lima da Costa, em declarações à agência Lusa, ressalvando ter como objetivo "vencer uma etapa" na Volta a Portugal.

O responsável técnico da equipa continental francesa Armée De Terre justificou a existência da equipa com o seu gosto pelo ciclismo, mas também do atual ministro da Defesa gaulês, Jean-Yves le Drian.

"Fui para a tropa e já andava de bicicleta, tentei formar uma equipa que, como amadora, vencia tudo. Há dois anos demos este passo e tornámo-nos profissionais. Não há qualquer problema com a condição militar, o próprio ministro gosta da boa imagem que a equipa dá do exército", explicou.

David Lima da Costa reconhece a invulgaridade da génese da equipa, mas destaca a possibilidade de "mostrar a tropa em todo o lado e mostrar um outro lado da tropa", como ocorre atualmente em Portugal e na Bélgica, onde outros militares correm a Volta à Valónia.

"Todos já eram ciclistas e gostavam da modalidade, agora estamos na segunda divisão, mas queremos disputar uma Volta a França", frisou.

Nem os recentes atentados em território francês, em novembro de 2015, em Paris, e já este mês, em Nice, prejudicaram a equipa.

"A popularidade que temos é muito elevada, os franceses gostam de nos ver nas estradas, mesmo com todos esses problemas que não são só de França, mas de todo o mundo", vincou.

A partir de hoje e até 07 de agosto, nos 1.618,7 quilómetros, entre Oliveira de Azeméis e Lisboa, o colorido do pelotão da Volta a Portugal conta com o camuflado francês, denunciado pelo fluorescente amarelo que completa o equipamento da Armée de Terre.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.