sicnot

Perfil

Desporto

Equipa do exército francês quer vencer uma etapa da Volta a Portugal

NUNO VEIGA/ LUSA

A equipa do exército francês Armée de Terre apresentou-se na 78.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta com a ambição de vencer uma etapa e celebrá-la da forma habitual, ou seja, com champanhe.

O diretor desportivo e precursor da equipa, David Lima da Costa, excluiu saudações militares caso um dos oito corredores cumpra o objetivo, "só champanhe e festa", admitindo, contudo, uma exceção.

"Se tocar 'A Marselhesa' vamos pôr-nos em sentido", referiu David Lima da Costa, em declarações à agência Lusa, ressalvando ter como objetivo "vencer uma etapa" na Volta a Portugal.

O responsável técnico da equipa continental francesa Armée De Terre justificou a existência da equipa com o seu gosto pelo ciclismo, mas também do atual ministro da Defesa gaulês, Jean-Yves le Drian.

"Fui para a tropa e já andava de bicicleta, tentei formar uma equipa que, como amadora, vencia tudo. Há dois anos demos este passo e tornámo-nos profissionais. Não há qualquer problema com a condição militar, o próprio ministro gosta da boa imagem que a equipa dá do exército", explicou.

David Lima da Costa reconhece a invulgaridade da génese da equipa, mas destaca a possibilidade de "mostrar a tropa em todo o lado e mostrar um outro lado da tropa", como ocorre atualmente em Portugal e na Bélgica, onde outros militares correm a Volta à Valónia.

"Todos já eram ciclistas e gostavam da modalidade, agora estamos na segunda divisão, mas queremos disputar uma Volta a França", frisou.

Nem os recentes atentados em território francês, em novembro de 2015, em Paris, e já este mês, em Nice, prejudicaram a equipa.

"A popularidade que temos é muito elevada, os franceses gostam de nos ver nas estradas, mesmo com todos esses problemas que não são só de França, mas de todo o mundo", vincou.

A partir de hoje e até 07 de agosto, nos 1.618,7 quilómetros, entre Oliveira de Azeméis e Lisboa, o colorido do pelotão da Volta a Portugal conta com o camuflado francês, denunciado pelo fluorescente amarelo que completa o equipamento da Armée de Terre.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.