sicnot

Perfil

Desporto

Rafael Reis herda camisola amarela de Gustavo Veloso na Volta a Portugal

O português Rafael Reis venceu esta quarta-feira o prólogo da 78.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta, beneficiando do azar do seu companheiro na W52-FC Porto Gustavo Veloso, que teve um furo enquanto defendia a camisola amarela.

O vencedor da corrida em 2014 e 2015 'voou' nos 3,6 quilómetros do exercício contra o relógio, em Oliveira de Azeméis, e, não fosse o azar que o levou a trocar de bicicleta e a ceder 11 segundos, venceria o prólogo, que terminou no 18.º posto.

"Tento sempre ver o lado bom ou menos mau para estas coisas que acontecem. Tive um furo na roda de trás e de mudar para uma bicicleta normal, deixando a 'cabra', mas consegui o melhor tempo possível. O objetivo era esse, fiquei com a sensação de que ganharia se não tivesse tido este azar, mas é assim o ciclismo, tento ficar com as boas sensações que tive", explicou Veloso.

Rafael Reis acabou por herdar a camisola símbolo de líder da corrida, ao completar o 'crono' citadino, que terminava com uma subida de cerca de 500 metros, em 4.42 minutos, voltando a impor-se nesta sua especialidade, tal como fez no Troféu Joaquim Agostinho e no Grande Prémio Jornal de Notícias, que viria a vencer.

"É um esforço muito curto e muito intenso, mas geri bem. Esperava que eu e o Veloso acabássemos nos dois primeiros lugares, mas a vitória no prólogo foi o objetivo que a equipa me propôs e claro que estou satisfeito. Aproveitei as dicas dos companheiros de equipa para gerir onde podia gerir e guardar forças para este final", referiu Rafael Reis.

O corredor natural de Palmela, líder do 'ranking' nacional, cumpriu o traçado técnico do prólogo a uma média de 45,957 km/hora, gastando menos três segundos do que Jóni Brandão (Efapel) e menos quatro do que José Gonçalves (Caja Rural), segundo e terceiro classificados, respetivamente.

O chefe de fila da formação comandada por Américo Silva, segundo classificado em 2015, assumiu a satisfação com o seu desempenho, que o deixa como melhor posicionado entre os favoritos.

"Hoje era um dia em que não podia deitar tudo a perder. Não estava à espera deste segundo lugar, mas, realmente, este final favorecia-me e podia ganhar alguns segundos, que são sempre importantes. É sempre melhor estar alguns segundos à frente do que atrás", referiu Jóni Brandão, ainda antes de saber do azar de Veloso.

José Gonçalves revelou a surpresa com o resultado obtido no prólogo, sobretudo por não se sentir totalmente em forma.

"Hoje correu bem, mas foi só o primeiro dia. Foi um bom resultado, que não estava à espera, porque não me senti a 100%... amanhã há mais", advertiu o português da formação espanhola Caja Rural.

Além de Veloso, o pódio de Oliveira de Azeméis excluiu outros favoritos ao triunfo final, mas que se mantiveram próximos, casos do italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), protagonista do nono melhor registo, a sete segundos do vencedor, e de João Benta (Louletano-Hospital de Loulé), 24.º, a 13.

Ligeiramente mais atrás ficaram o espanhol Alejandro Marque (LA-Antarte), vencedor da Volta em 2013, e Amaro Antunes (LA-Antarte), que não foram além dos 43.º e 52.º melhores registos, a 17 e 18 segundos, respetivamente, e Rui Sousa (Rádio Popular-Boavista), que, apesar de um susto ao embater nas vedações, terminou no 69.º lugar, a 22.

Algumas diferenças entre os candidatos assumidos, que podem começar a tentar ganhar posição no topo da classificação geral já na quinta-feira, com os 167,4 quilómetros da primeira etapa em linha, entre Ovar e Braga, numa ligação com duas contagens de montanha, uma de terceira categoria e outra de segunda, no Sameiro, perto da meta.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC