sicnot

Perfil

Desporto

Já subiu o Evereste e agora vai nadar o Canal da Mancha para ajudar crianças do Bangladesh

Maria da Conceição, a primeira mulher portuguesa a subir o Evereste e detentora de três recordes mundiais de corrida, aprendeu a nadar para atravessar o Canal da Mancha e angariar fundos para ajudar crianças do Bangladesh.

A travessia dos 32 quilómetros está marcada para 27 de agosto, com partida do sul de Inglaterra e chegada ao norte de França, dependendo se as condições meteorológicas daquele dia forem favoráveis.

Porém, sua a principal meta é angariar 140 mil libras (166 mil euros), o que permitiria pagar os estudos de 172 crianças apoiadas pela Fundação Maria Cristina, fundada pela portuguesa há 11 anos e que já ajudou mais de 600 crianças e adultos do Bangladesh.

"Atualmente, tenho de conseguir no mínimo 40 mil dólares (36 mil euros) até para pagar as propinas da escola deste ano", disse à agência Lusa.

A constante necessidade de angariar dinheiro forçou-a a assumir mais este desafio, o que implicou, primeiro de tudo, aprender a nadar, no ano passado e, depois, habituar-se à água fria.

"Depois de viver 13 anos no Dubai já não estava habituada", confessou a antiga assistente de bordo de uma transportadora dos Emirados Árabes Unidos.

Em abril deste ano, instalou-se na ilha britânica de Jersey, e testou a resistência à água do mar, que naquele dia tinha uma temperatura de 10,4º centigrados. "Só sobrevivi cinco minutos!", exclamou.

Para um candidato à travessia ser aceite pela Associação de Natação do Canal tem de provar que consegue aguentar seis horas em água com menos de 15º centígrados.

Maria da Conceição passou o exame no início de julho, mas os treinos continuam: por semana, nada cinco a seis vezes em águas abertas, faz quatro aulas de bicicleta de ginásio ['spinning'] e mais duas sessões de treino pessoal.

A preparação incluiu ganhar peso para aguentar as baixas temperaturas da água, comendo muito abacate, frutos secos, salmão, caril, hamburgueres e, "ocasionalmente", o tradicional fish and chips (peixe frito com batatas fritas).

"Estou a consumir mais de 6.000 calorias por dia. Mas em água fria podem-se gastar 600 calorias por hora de natação", vincou.

A travessia total do Canal pode durar entre cerca de sete e 27 horas, mas a filantropa portuguesa espera conseguir completar o percurso em entre 18 e 20 horas.

Maria da Conceição tem seis recordes registados no livro de Guiness, incluindo três alcançados em 2014, quando levou a cabo o desafio 777, que consistia em correr sete maratonas em sete dias em sete continentes.

Já correu várias maratonas, subiu a montes como o Kilimanjaro, Elbrus, Kala Patear, Denali e Island Peak, alcançou o Pólo Norte em 2011 e em 2013 tornou-se na primeira mulher portuguesa a alcançar o topo do Evereste.

Porém, tem sentido dificuldade em conseguir visibilidade e fundos suficientes para a sua causa, que abraçou após uma escala breve no Bangladesh.

Decidiu então criar a Fundação Maria Cristina em 2005, inspirada na mulher que a acolheu em casa perante as dificuldades da mãe biológica, para auxiliar crianças do Bangladesh, evitando que sejam vítimas de trabalho ou casamento infantil.

Além de ajudar na educação básica para as crianças, a fundação financia estudos secundários de forma a fortalecer as bases de futuras carreiras que possam garantir o sustento das famílias e resgatá-las da pobreza.

Lusa

  • Portuguesa corre por solidariedade
    3:58

    País

    De passagem por Portugal, onde já não vinha há cinco anos, Maria Conceição, a primeira portuguesa a alcançar o Evereste, não deixou de participar na Meia Maratona de Lisboa, este domingo. Ela vive entre o Dubai e o Bangladesh e é, desde há um mês, recordista mundial de ultramaratonas. Maria correu sete maratonas, em sete países, de sete continentes. Mas o que a leva a correr é a procura de apoios para a fundação que tem e que ajuda mais de 200 crianças carenciadas.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.