sicnot

Perfil

Desporto

Hamilton vence GP Alemanha de Fórmula 1 e reforça liderança

O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) venceu o Grande Prémio da Alemanha de Fórmula 1, em Hockenheim, e consolidou a a liderança do campeonato do mundo, após 12 provas disputadas.

© Ralph Orlowski / Reuters

O campeão do mundo, que largou da segunda posição da grelha, completou as 67 voltas (306,458 km) em 1:30.44,200 horas, e terminou à frente dos Red Bull do australiano Daniel Ricciardo e do holandês Max Verstappen, segundo e terceiro, respetivamente. No outro Mercedes, o alemão Nico Rosberg não aproveitou a 'pole position', falhando o arranque, e terminou no quarto lugar.

Hamilton, que somou a 49.ª vitória da sua carreira, quarta consecutiva e sexta em 2016, passou a somar 217 pontos, mais 19 do que Rosberg, segundo classificado, enquanto Ricciardo segue em terceiro, com 133.

O Grande Prémio da Bélgica é próxima prova do Mundial e está marcado para 28 de agosto.

Lusa

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".