sicnot

Perfil

Desporto

W52-FC Porto e Efapel prometem luta na Volta a Portugal

NUNO VEIGA

​Os diretores desportivos de W52-FC Porto e Efapel prometeram luta pela vitória na 78.ª Volta a Portugal em bicicleta até ao contrarrelógio da última etapa, a disputar no domingo, entre Vila Franca de Xira e Lisboa

No dia de descanso da prova, após seis de competição, Nuno Ribeiro e Américo Silva asseguraram à agência Lusa, a manutenção dos objetivos iniciais, apesar do domínio azul e branco, com Rui Vinhas e o espanhol Gustavo Veloso nos dois primeiros lugares, à frente de Jóni Brandão, o líder da Efapel.

"A expetativa é a mesma que tínhamos quando iniciámos a corrida: conseguir a vitória final", frisou o diretor desportivo da W52-FC Porto, Nuno Ribeiro, atestando a condição física dos dragões, que além do camisola amarela e do vencedor de 2014 e 2015 colocam ainda o espanhol Raúl Alarcón e António Carvalho nos 10 primeiros.

A tonalidade predominante da classificação resulta "da época de trabalho cumprida com o objetivo de vencer a Volta", reiterou Nuno Ribeiro, admitindo estar numa situação privilegiada por estar na frente.

"O Gustavo Veloso é o nosso líder, o número um, e já mostrou que está a sentir-se bem, enquanto o Rui Vinhas está numa boa situação, mas, para se defender, vai ter de estar bem nas próximas etapas", explicou.

Apesar da previsível vantagem de Veloso no contrarrelógio final e na véspera da dupla subida à Torre, o ponto mais alto de Portugal continental, Nuno Ribeiro rejeitou eleger uma etapa decisiva para o desfecho da corrida.

"A de amanhã [quarta-feira] vai ser das mais duras, mas nós temos de estar atentos todos os dias, porque pode perder-se uma Volta em qualquer etapa, mas estamos confiantes", frisou o técnico dos azuis e brancos.

Américo Silva também assegurou empenho até ao final pelo objetivo de fazer do vice de 2015 campeão.

"Os meus homens estão todos cansados pelo trabalho realizado, mas satisfeitos por termos lutado pelo nosso objetivo. Estamos convictos de que fizemos tudo para mudar o rumo desta Volta a Portugal e eu sinto que fizemos o que tínhamos a fazer", sublinhou.

O diretor desportivo da Efapel admitiu endurecer a corrida nas quatro etapas em linha restantes e que antecedem o crono, para reforçar a candidatura de Jóni Brandão, terceiro classificado, a 3.02 minutos de Vinhas

"Vamos ter de andar na luta até ao crono, com a consciência de que temos de fazer o nosso trabalho e talvez o dos outros. Julgo que se houvesse outra mentalidade pudesse haver um desfecho diferente, mas vamos estar a lutar e o resultado que obtivermos vai ser o fruto desse trabalho", rematou.

Nos seis primeiros dias, a camisola amarela mudou três vezes de dono, mantendo-se sempre entre portugueses. Primeiro foi Rafael Reis (W52-FC Porto) a vesti-la no prólogo, depois Daniel Mestre (Efapel) na primeira etapa, em Braga, e desde sexta-feira pertence a Vinhas, graças à fuga bem-sucedida na terceira tirada.

Além da classificação individual e coletiva, a W52-FC Porto domina também nas vitórias de etapas, com os triunfos de Reis e Veloso, no alto da Senhora da Graça, em Mondim de Basto, contando-se ainda as celebrações de Daniel Mestre, do italiano Francesco Gavazzi (Androni Giocattoli), do australiano William Clarke (Drapac) e do espanhol Vicente De Mateos (Louletano-Hospital de Loulé).

O líder da classificação por pontos é Veloso, enquanto o rei da montanha é o colombiano Wilson Diaz (Funvic Soul Cycles), o primeiro a passar no emblemático Salto da Pedra Sentada, troço de terra da Lameirinha percorrido regularmente no Rali de Portugal, e no alto da Serra de São Macário, duas estreias no percurso, depois de ter protagonizado uma celebração precoce na chegada a Braga.

A classificação da juventude é liderada pelo espanhol Vitor Etxebarria (Rádio Popular-Boavista).

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.