sicnot

Perfil

Desporto

Antigo árbitro João Ferreira esclarece que vídeo-árbitro será apenas um apoio

O antigo árbitro João Ferreira disse esta quarta-feira que a introdução do vídeo-árbitro nas competições portuguesas, a começar pela Supertaça, no domingo, será apenas um apoio ao juiz principal nas decisões cruciais dos jogos.

"É uma ferramenta que vai ajudar o árbitro a tomar as decisões e estamos a falar de decisões cruciais. O objetivo deste vídeo-árbitro não é corrigir o árbitro, longe disso. O árbitro é o único decisor no jogo e vai continuar a ser assim", começou por dizer o agora vice-presidente do conselho de arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) na conferência de imprensa de apresentação da introdução da tecnologia.

João Ferreira explicou que este novo apoio servirá para quatro tipos de lance: "grande penalidade, situações de golo, se a bola entra ou não entra, expulsões, se é cartão vermelho e, o quarto pilar, a má identificação jogador".

O antigo árbitro salientou que nesta primeira fase de experimentação o juiz principal não terá nenhum contacto com o vídeo-árbitro, dirigindo o encontro sem qualquer ajuda.

"Estamos numa fase de testes e este é, garantidamente, o primeiro jogo. Portanto, este é um teste em 'off' cuja equipa de arbitragem que vai dirigir o jogo da Supertaça [entre Benfica e Sporting de Braga] não vai ter qualquer ligação, qualquer contributo e vai dirigir como se não houvesse este teste", reiterou.

Relativamente à primeira fase de experimentação nas provas portuguesas, João Ferreira assegurou que estará presente numa dezena de encontros e, numa segunda, já em 'on' com mais encontros.

"Vai acontecer na Taça de Portugal, neste jogo da Supertaça e depois nos quartos de final e meias-finais [da prova rainha]. Estão previstos 10 jogos para esta época. No segundo ano, alguns jogos serão escolhidos para testar com a ligação em 'on' à equipa de arbitragem.

Quanto ao tempo que uma decisão auxiliada pela nova tecnologia poderá interromper o tempo de jogo, o diretor de tecnologia da FPF, Hugo Freitas, afirmou que ainda muito cedo para avançar com uma marca exata.

"Ainda é um pouco prematuro para estarmos a falar [do tempo] em 'on' e para isso é que servem os teste de 'off', para podermos definir com exatidão a situação real. Podemos assumir os 12 segundos. Estamos, evidentemente, a falar sempre de uma média", transmitiu.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.