sicnot

Perfil

Desporto

Liderança de Rui Vinhas na Volta a Portugal testada duplamente na Torre

NUNO VEIGA/ LUSA

A liderança do português Rui Vinhas (W52-FC Porto) vai ser hoje testada na etapa rainha da 78.ª Volta a Portugal em bicicleta, com duas subidas à Torre, na Serra da Estrela, na ligação entre Belmonte e Guarda.

Depois do dia de descanso, o pelotão regressa à estrada na sexta etapa e enfrenta pela primeira vez a alta montanha, com duas passagens no ponto mais alto de Portugal continental, primeiro subindo pela vertente Covilhã-Penhas da Saúde e, de seguida, pelo lado Seia-Sabugueiro, em detrimento da emblemática chegada à Torre.

Rui Vinhas vai envergar a camisola amarela nas duas subidas de categoria especial, as únicas da prova (km 44,7 e 104,3) e principais referências no traçado da etapa, cujos 173,7 quilómetros incluem três contagens de montanha de terceira categoria na parte final, uma em Fernão Joanes e duas na Guarda, a última das quais a coincidir com a meta.

O corredor da W52-FC Porto comanda com 2.45 minutos de vantagem sobre o espanhol Gustavo Veloso, seu colega de equipa e vencedor da prova em 2014 e 2015, e 3.02 sobre Joni Brandão (Efapel), terceiro e principal rival na luta pela vitória frente aos 'dragões'.

A caravana inicia a viagem às 12:30, no Largo de Santiago, em Belmonte, 'sprinta' as metas volantes de Caria (km 5,7), Covilhã (km 25,4) e Seia (km 76,9) e deve chegar ao Largo General Humberto Delgado, na Guarda, cerca das 17:30.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite