sicnot

Perfil

Desporto

Morreu Chris Amon, um dos melhores pilotos da Fórmula 1

O neozelandês Chris Amon, considerado o melhor piloto da Fórmula 1 que nunca venceu uma corrida, morreu aos 73 anos devido a um cancro, anunciou família.

Amon, que entre 1963 e 1976 representou equipas como a Ferrari e a Matra, disputou 96 corridas, nas quais conseguiu cinco pole-positions e 11 lugares no pódio, mas nunca o primeiro.

A entidade que gere a modalidade, a F1, descreve o neozelandês como um "piloto azarado", dando como exemplos as situações ocorridas em 1971 e 1972, nos Grandes Prémios de Itália e França, respetivamente.

"No Grande Prémio de Itália, em 1971, ia à frente quando a viseira do capacete saltou e teve de desistir, enquanto que no Grande Prémio de França, em 1972, foi obrigado a desistir devido a um furo, quando liderava confortavelmente", refere o sítio da F1.

Em 1971, Amon conseguiu a única vitória ao volante de um monolugar, ao serviço da Matra, mas esse Grande Prémio da Argentina tratava-se de uma corrida de preparação para o campeonato.

No entanto, Amon não se considerava um azarado, tendo chegado a afirmar: "Tive vários acidentes que me poderiam ter matado, parti costelas, mas nunca me magoei seriamente".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18