sicnot

Perfil

Desporto

Vinte adeptos do Bétis identificados e escoltados até Espanha após desacatos

BolaTV

Duas dezenas de adeptos do Bétis foram esta quinta-feira identificados e depois escoltados até Espanha, após terem estado envolvidos em desacatos antes do jogo de futebol entre a sua equipa e o Sporting, no Estádio Algarve.

Segundo explicou o capitão Diogo Matos, da GNR, em declarações à comunicação social após o final do jogo, os incidentes aconteceram à chegada dos adeptos espanhóis, que, ao saírem do autocarro, começaram a arremessar objetos pirotécnicos em direção aos simpatizantes do Sporting, junto à entrada principal do recinto.

A resposta policial ao incidente, que durou apenas "um ou dois minutos", partiu, em primeiro lugar, dos 'spotters' e depois da força de intervenção da GNR, que imobilizou e conteve os adeptos do Bétis junto à zona norte do estádio.

"Foram identificados 20 elementos ligados ao Bétis e um elemento de uma claque do Sporting. Dois dos elementos espanhóis tiveram de ser assistidos no hospital", explicou o responsável da GNR.

O capitão Diogo Matos acrescentou que a GNR não procedeu a quaisquer detenções, uma vez que não houve queixas nem foram encontrados objetos suspeitos na posterior revista aos adeptos espanhóis, acabando por escoltar o grupo até à fronteira entre Portugal e Espanha.

Na zona sul do estádio, noutra situação, foram igualmente identificados dois adeptos espanhóis e um português, tendo um espanhol sido assistido no hospital.

Os incidentes não vão modificar o planeamento de segurança da GNR para a partida entre o Sporting e os franceses do Nice, que se disputa na sexta-feira no Estádio Algarve, uma vez que não existe histórico de problemas entre adeptos dos dois emblemas.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".