sicnot

Perfil

Desporto

AC Milan em mãos chinesas por 740 milhões de euros

Reuters

​A Fininsvest, de Silvio Berlusconi, assinou hoje um pré-contrato para vender o AC Milan a investidores chineses, por 740 milhões de euros.

"O presidente Silvio Berlusconi aprovou o contrato preliminar assinado pelo administrador-delegado Danilo Pellegrino e por Han Li, representante de um grupo de investidores chineses, relativo ao contrato de compra e venda da participação completa de 99,93% do AC Milan", informou a Fininvest, em comunicado.

A sociedade transalpina confirmou que a venda é feita à Sino-Europe Sports Investment Management Changxing Co. Ltd, da qual formam parte um fundo de propriedade do estado para o desenvolvimento e os investimentos (Haixia Capital) e o empresário Yonghong Li, além de outras companhias mais pequenas, igualmente pertencentes ao estado.

"O contrato, que vincula ambas as partes, será aperfeiçoado no fim de 2016, quando estiverem conseguidas as autorizações previstas nestes casos pelas autoridades italianas e chinesas", acrescenta a nota.

Do acordo resulta que o novo proprietário vai investir um mínimo de 350 milhões de euros em reforços nas próximas três épocas, sendo que os 740 milhões que serão pagos a Berlusconi incluem os 220 milhões e de dívida do clube 'rossonero'.

Este é um momento decisivo na história recente do AC Milan, há cinco anos envolvido em grave crise financeira e desportiva, sendo que agora poderá voltar ao mercado com outra ambição.

Será igualmente o fim de ciclo de Silvio Berlusconi, que adquiriu o clube em 1986, sendo que nestes trinta anos de presidência conquistou 28 troféus, incluindo cinco das sete vitórias na Liga dos Campeões.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.