sicnot

Perfil

Desporto

Pelotão da Volta engana-se no percurso a 16 quilómetros da meta

NUNO VEIGA

​O pelotão da 78.ª Volta a Portugal em bicicleta enganou-se no percurso da oitava etapa, a cerca de 16 quilómetros da meta, instalada em Arruda dos Vinhos, enquanto perseguia uma fuga.

Depois da primeira passagem pela meta, na mais longa etapa da corrida, de 208,5 quilómetros, entre Nazaré e Arruda dos Vinhos, os seis corredores em fuga seguiram pelo traçado correto, com cerca de 6.30 minutos de vantagem, antes de a prova ser neutralizada temporariamente.

Os fugitivos Samuel Caldeira (W52-FC Porto), Jesus Ezquerra (Sporting-Tavira), Ricardo Vilela (Caja Rural), Davide Vigano (Androni Giocattoli), David Belda (Team Roth) e Nathan Earle (Drapac) foram mandados parar pelos comissários, a fim de aguardarem pelo pelotão, assim que este retomasse o caminho correto.

"Os corredores que seguiam em fuga vão partir com o mesmo tempo que tinham de avanço, o percurso estava devidamente identificado e é uma situação inexplicável, que temos de tentar perceber junto do colégio de comissários", explicou o diretor da corrida, Joaquim Gomes, em declarações à RTP.

O português Rui Vinhas (W52-FC Porto) lidera a Volta a Portugal em bicicleta, com 2.25 minutos de vantagem sobre o espanhol e seu companheiro de equipa Gustavo Veloso, vencedor das últimas duas edições da prova e segundo classificado, e 2.53 sobre o seu compatriota Daniel Silva (Rádio Popular-Boavista), que completa o pódio provisório.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.