sicnot

Perfil

Desporto

Messi anuncia regresso à seleção por "amor" à Argentina

© Reuters Staff / Reuters

O avançado do FC Barcelona anunciou esta sexta-feira em comunicado que vai voltar a jogar pela seleção argentina de futebol, por amor ao seu país, depois de ter anunciado o abandono na Copa América do Centenário.

"Pensei seriamente em deixar a seleção, mas o meu amor ao meu país e à sua camisola é tão grande", lê-se no comunicado divulgado pela empresa que agencia o cinco vezes melhor jogador do mundo.

Em 27 de junho último, após a derrota na final da Copa América frente ao Chile, por 4-2, no desempate por grandes penalidades, após 0-0 no prolongamento, Messi anunciou o abandono da seleção 'albi-celeste': "Para mim a seleção nacional acabou. Fiz tudo o que podia, dói não ser campeão".

"Vejo que há muitos problemas no futebol argentino e não quero criar mais nenhum. Não quero causar danos, sempre defendi o contrário, e quero ajudar em tudo o que puder. Há que mudar muitas coisas no futebol argentino e prefiro participar na mudança do que criticar por fora", prosseguiu Messi no comunicado hoje divulgado, agradecendo a todos os que o querem ver na seleção.

Messi conquistou o Mundial de sub-20 de 2005 e a medalha de ouro em Pequim2008, mas nenhum título com a seleção principal, com as derrotas nas finais do Mundial2014 e da Copa América de 2007, 2015 e 2016.

Atualmente, a Argentina segue no terceiro lugar da qualificação sul-americana para o Mundial2018, com 11 pontos em seis jogos, menos dois do que os líderes Uruguai e Equador.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.