sicnot

Perfil

Desporto

Fenerbahçe vai "tomar medidas legais" contra Vítor Pereira

O Fenerbahçe anunciou este sábado que vai "tomar medidas legais" contra Vítor Pereira, por considerar que o treinador português de futebol viajou para Portugal "como medida de pressão".

Em comunicado, o clube turco refere que Vítor Pereira "fez uma série de declarações inexplicáveis e inaceitáveis" à imprensa portuguesa para justificar a viagem a Portugal, que, segundo o emblema turco, "não correspondem à realidade".

"Além disso, Vítor Pereira e a sua equipa técnica não estiveram esta manhã no treino", refere ainda o Fenerbahçe.

Num comunicado publicado pelo diário desportivo Record, Vítor Pereira explicou que viajou para Portugal "devido a ameaças e a um ambiente tenso".

"Na sequência da derrota com o AS Monaco (na qualificação para a Liga dos Campeões), o Fenerbahçe decidiu impedir-me de exercer a minha função como treinador principal, não respeitando o meu contrato de trabalho", referiu o técnico no comunicado.

Desta forma, Vítor Pereira optou por voltar a Portugal "na expetativa de que o Fenerbahçe" volte a atribuir-lhe "a função de treinador principal".

"Os meus assistentes seguem o meu caminho pelas mesmas razões. Cabe ao Fenerbahçe tomar uma decisão", finalizou.

Para o clube, Vítor Pereira, com esta atitude, "violou claramente o contrato em vigor e isso é inaceitável", deixando a entender que poderá avançar para a rescisão de contrato.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.