sicnot

Perfil

Desporto

Morreu o ex-presidente da FIFA João Havelange

AP/ Arquivo

O antigo presidente da FIFA, João Havelange, morreu hoje, aos 100 anos de idade, no Rio de Janeiro. O ex-atleta olímpico tinha estado internado no Brasil na sequência de uma pneumonia, no passado mês de julho. A notícia foi avançada pelo site da ESPN Brasil.

Em declarações reproduzidas pelo portal brasileiro UOL, o médico do antigo líder da FIFA, João Mansur, explicou que Havelange sofria de uma infeção pulmonar, que se agravou e caminhou para uma infeção generalizada. Esta foi a causa da morte do antigo presidente da FIFA, que estava internado no hospital Samaritano, no Rio de Janeiro.

João Havelange, que foi presidente da FIFA de 1974 a 1998, naquele que é o segundo mandato de maior duração à frente do organismo, apenas superado pelo francês Jules Rimet (1921-1954), estava internado com problemas respiratórios.

O antigo dirigente renunciou em 2011 à sua condição de membro do Comité Olímpico Internacional (COI) e, em abril de 2013, ao cargo de presidente honorário da FIFA face ao escândalo de que terá recebido subornos de uma empresa de marketing na década de 90.

Antes de ser conhecido mundialmente como presidente da FIFA (Federação Internacional de Futebol), João Havelange desempenhou papéis de relevo em várias áreas do desporto, inclusive como atleta.

João Havelande e Eusébio num encontro da Federação Internacional de Futebol no Rio de Janeiro, em 2010.

João Havelande e Eusébio num encontro da Federação Internacional de Futebol no Rio de Janeiro, em 2010.

Felipe Dana/ EPA

Praticante de futebol e natação, modalidade que o levou a competir nos Jogos Olímpicos de Berlim de 1936 nos 400 e 1500 metros livres, Havelange teve o seu apogeu desportivo como jogador de polo aquático, tendo conquistado a medalha de bronze no torneio Pan-Americano da Cidade do México em 1955, além da participação nos Jogos de Helsínquia de 1952.

Com Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite