sicnot

Perfil

Desporto

Spalletti diz que não pediu Herrera como reforço para a Roma

JOSE COELHO

O treinador da Roma disse esta terça-feira que não pediu o mexicano Herrera para reforçar a sua equipa, em declarações na véspera do encontro com o FC Porto, da primeira mão do play-off da Liga dos Campeões de futebol.

"Li que houve vontade de alguns clubes italianos em contratá-lo, mas, se me pergunta diretamente a mim, digo-lhe que não. É um jogador forte, claro, e não sei se a Roma alguma vez tentou esta operação. Eu nunca pedi este jogador, até porque já tenho um bom para essa posição", disse o italiano Luciano Spalletti, na conferência de imprensa de antevisão do jogo com o FC Porto, no Estádio do Dragão.

Spalletti falou ainda do brasileiro Bruno Peres, reforço da Roma anunciado esta terça-feira, e explicou o motivo pelo qual ainda não foi opção para este jogo.

"Mais um jogador que procuramos, porque é um jogador forte e, como a equipa é forte, precisamos de ter qualidade no onze e no banco. Tem muita qualidade, é um lateral que joga na faixa toda, também joga na esquerda e pode ser mais uma opção importante. Vamos inscrevê-lo para a segunda mão. Por uma questão de burocracia não veio a este jogo", disse.

Dentro de campo, o técnico italiano não tem dúvidas de qual deverá ser a estratégia para alcançar uma importante vitória fora de casa.

"Num jogo como este quero que os meus jogadores estejam dentro do jogo, no máximo. Se pensarmos que um jogo tem 55 minutos de tempo útil, talvez menos, então um jogador terá, no máximo, a bola durante um minuto e meio. Terá de fazer algo mais nos outros 88 minutos", finalizou.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.